Palocci pede afastamento do Ministério da Fazenda

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

27 de março de 2006

Brasil

O Ministro Antonio Palocci Filho pediu seu afastamento definitivo do Ministério da Fazenda do Brasil.

Palocci é o segundo ministro forte do governo Lula a ficar numa situação difícil por causa do escândalo de corrupção que abala o governo brasileiro desde o ano passado. Guido Mantega, presidente do BNDES e integrante do Partido dos Trabalhadores assume o cargo.

A situação de Antonio Palocci começou a ser ameaçada depois que seu ex-auxiliar na Prefeitura de Ribeirão Preto, Rogério Buratti, foi preso em 16 de agosto de 2005 e indiciado pela prática de lavagem de dinheiro e corrupção em Ribeirão Preto.

Além de Buratti, outros ex-auxiliares de Palocci são suspeitos de atividades ilícitas e de usar a influência do ministro para arrecadar dinheiro junto a empresários, num esquema de tráfico de influência. Vladimir Poleto, outro ex-auxiliar do ministro, é suspeito de ter transportado caixas de bebida com dólares supostamente vindos de Cuba para a campanha de Luiz Inácio Lula da Silva em 2002. Há a suspeita de que eles tenham intercedido junto a empresários do jogo de bingo para arrecadar dinheiro de forma ilegal para a campanha de Lula em 2002.

Antonio Palocci sempre negou o seu envolvimento com seus ex-auxiliares e as denúncias que envolvem sua administração em Ribeirão Preto e as ligações com empresários do jogo de bingo. O ministro depôs para uma comissão parlamentar de inquérito (CPI dos Bingos) e disse que não mantinha contatos com os seus ex-colaboradores. Todavia, há duas semanas, procurado pela reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, o caseiro de uma mansão em Brasília, Francenildo dos Santos Costa, disse que viu de 10 a 20 vezes Antonio Palocci ir à casa. Na residência, alugada pelos ex-colaboradores de Palocci na Prefeitura de Ribeirão, supostamente ocorreriam negociações entre empresários para obter favores junto ao Ministério da Fazenda e festas com prostitutas.

Além do depoimento do caseiro que trabalhava na mansão, um motorista e a pessoa que alugou a casa para os ex-auxiliares do ministro disseram ter visto Antonio Palocci na casa.

Há duas semanas o caseiro Francenildo afirmou para uma comissão parlamentar de inquérito ter visto o ministro Antonio Palocci na mansão. Na ocasião o depoimento do caseiro foi interrompido por causa de uma liminar judicial de um senador do governo. Apesar de ter falado apenas 40 minutos, as declarações de Francenildo foram suficientes para criar uma crise.

Todavia, o acontecimento mais grave e que tornou realmente insurportável a permanência de Palocci no Ministério foi o facto de o Ministério da Fazenda usar a Polícia Federal e o Banco Caixa Econômica Federal para tornar pública a conta bancária de Francenildo com a finalidade de insinuar de que o depoimento dele tinha sido comprado e assim desacreditá-lo. A quebra do sigilo bancário é proibida no Brasil e só pode ser admitida em condições especiais com autorização da Justiça.

Toda a movimentação bancária do caseiro de 2006 foi tornada pública e saiu publicada na revista Época, da Editora Globo. Foi revelado que o caseiro recebeu R$ 25 mil a partir de janeiro deste ano. Todavia o caseiro conseguiu provar que o dinheiro corresponde a uma doação de um empresário de Piauí, suposto pai biológico do caseiro, num acordo para ele não ser processado numa ação por paternidade.

Supostamente o jornalista Marcelo Netto que é assessor de Antonio Palocci no Ministério da Fazenda repassou os dados da conta bancária do caseiro para a revista. Em depoimento para a Polícia Federal, o Presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Mattoso, disse que entregou o extrato com a movimentação bancária de Francenildo para o Ministro Antônio Palocci.

O Ministério da Fazenda tentou ainda intimidar o caseiro e pediu à Polícia Federal através do Conselho de Atividades Financeiras (Coaf) para que ele fosse investigado por lavagem de dinheiro. Isso gerou indignação em alguns setores da sociedade e motivou os procuradores regionais da República a pedirem à Justiça Federal suspensão do inquérito.[1]

Semana passada o partido da oposição PSDB havia enviado feito um pedido de impeachment do Ministro Antonio Palocci.

Fontes