Debate sobre autarquias provinciais não está esgotado em Moçambique

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Moçambique.

Agência VOA

Analistas defendem debate sobre descentralização.

22 de julho de 2015

O debate sobre o projecto das autarquias provinciais apresentado no Parlamento moçambicano pela Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) continua a concentrar a atenção dos actores políticos no país.

No domingo, ao falar na França onde se encontrava de visita, o Presidente Filipe Nyusi rejeitou de forma categórica a proposta da Renamo por considerá-la incompatível com os resultados das últimas eleições gerais e a legislação eleitoral em vigor.

Entretanto, apesar dessa posição, analistas dizem que o debate sobre a descentralização está longe de estar esgotado.

Para o presidente do Parlamento Juvenil, uma plataforma moçambicana de advocacia em prol dos direitos e prioridades da juventude, Salomão Muchanga, isso não deve significar o fim do debate sobre a descentralização em Moçambique.

O líder juvenil enfatizou que "a sociedade deve aprofundar o debate sobre o processo de, incluindo a eleição de governadores provinciais".

Nyussi disse à comunidade moçambicana em Paris que ele não venceu as eleições provinciais em todas as províncias, mas teve a maioria no total.

O politólogo Lázaro Mabunda afirma que, para se ultrapassar o conflito que se instalou no país após as eleições do ano passado, é preciso avançar-se para a descentralização, "elegendo também os governadores provinciais".

Por seu turno, o analista político Francisco Matsinhe diz ser necessário dar seguimento ao processo de descentralização, que começou com a municipalização no país.

Refira-se que a Renamo contesta o resultado das últimas eleições gerais e propõe a criação de autarquias em todo o país, mas pretende governar com efeitos imediatos nas seis províncias onde reclama vitória eleitoral.

Entretanto, o porta-voz da Renamo, António Muchanga, considerou de arrogante a posição do Presidente Filipe Nyusi, de rejeitar a exigência do movimento de criação de autarquias provinciais.

Muchanga afirmou que desde que Filipe Nyusi consolidou o seu poder na Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), "tornou-se arrogante e está a empurrar o país para a confusão, ao rejeitar uma exigência que não é da Renamo, mas sim do povo".

Notícias Relacionadas

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati