Covid-19: OMS declara que Europa e Ásia Central são novamente o epicentro da pandemia

4 de novembro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Com os novos casos gerando "grande preocupação", Hans Henri P. Kluge, Diretor Regional da OMS para a Europa, declarou hoje que a Europa e a Ásia Central são novamente o epicentro da pandemia de covid-19. Para Kluge, a piora da situação se deve a dois motivos principais: a cobertura vacinal insuficiente e o relaxamento das medidas de contenção da transmissão do Sars-Cov-2.

Somente na semana passada, segundo Kluge, a Europa e a Ásia central foram responsáveis ​​por 59% de todos os casos de covid-19 reportados no mundo e 48% das mortes registradas. Segundo ele também, a Europa e a Ásia Central tiveram um aumento de 6% e 12%, respectivamente. Na Europa, especificamente, houve um aumento superior a 55% de novos casos da doença no último mês e as taxas de hospitalização mais que dobraram na última semana.

Na Europa

Nove entre os dez países com mais novos casos diários de covid-19 por milhão de habitantes na última semana são do Leste Europeu, segundo o Our World In Data, da Universidade de Oxford. Lideram a lista a Estônia, com 1.371 novas infecções por milhão a cada dia, a Letônia, com 1.203, e a Eslovênia, com 1.073.

Com relação às mortes, a situação tampouco é diferente, com 15 países do Leste Europeu na ponta. A Romênia lidera a lista do painel Daily new confirmed COVID-19 deaths per million people do Our World In Data, com 23 romenos por milhão tendo morrido diariamente nos últimos sete dias a cada dia. A Bulgária vem em segundo lugar, com 20 mortes/milhão, e a Letônia vem em terceiro, com 19 mortes/milhão.

Na Ásia Central

A situação na Ásia Central, segundo dados do Our World, está visivelmente muito mais controlada atualmente do que no Leste Europeu. O Cazaquistão, que lidera a lista de novos casos e mortes, registrou, por exemplo, apenas 1,35 novas morte por milhão de habitantes (acesse aqui) e 82 novos casos/milhão (acesse aqui) nos últimos sete dias.

Baixo índice vacinal preocupa

Segundo Kluge, apesar dos novos casos de covid-19 estarem à beira de bater novos recordes na Europa, as mortes são aproximadamente a metade das registradas durante o pico anterior. Ele atribuiu o controle dos óbitos à vacinação, mas alertou que os "países da Europa e Ásia Central estão, no entanto, em vários estágios de implantação da vacinação. Em média, apenas 47% das pessoas completaram uma série de vacinação" e que apenas oito países já ultrapassaram a taxa de 70% de imunização contra a covid-19.

Em dados do Our World In Data, no painel Share of people who received at least one dose of COVID-19 vaccine, os 20 países europeus que menos vacinaram com ao menos uma dose até ontem, 3 de novembro, são do Leste. Entre eles, o que menos vacinou é a Moldávia, que imunizou com ao menos uma dose apenas 22% da população, e o que mais vacinou é a Letônia, com uma taxa de 63%. Portugal, comparativamente, um dos países que mais vacina no mundo, aplicou ao menos uma dose em 88% de sua população.

Na Ásia Central, apenas dois países, o Cazaquistão e o Uzbequistão alcançaram a taxa de 40% (veja aqui).

Notícias Relacionadas

Fontes