Rússia adverte gestão "totalitário" dos Estados Unidos na Internet

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Navegação Internet
Outras notícias sobre Internet

21 de dezembro de 2011

Moscou, RússiaAlexander Lukashevich, porta-voz do Ministério do Exterior russo advertiu na segunda-feira sobre os esforços de controle unilateral da Internet por parte dos Estados Unidos a outras nações e empresas que seriam submetidas ao seu controle, através do projeto legislativo chamado Global Online Freedom Act (Lei de Liberdade Online Global).

Em caso de possível aprovação, o país norte-americano poderá inclusive restringir o envio de tecnologia de software e hardware aos países que se encontre em sua lista negra, obrigando as companhias a reportar ao governo sobre suas atividades nesses territórios. Também prevê que o Departamento de Estado publique informes sobre os países estão limitando o uso da Internet.

Aparentemente, alguns representantes do establishment estado-unidense manterem os restígios da Guerra Fria que agora querem transferir para a esfera das altas tecnologias e das comunicações. É como se alguns membros do establishment estado-unidense estiveram aplicando a mentalidade de confrontação e esquemas herdados da Guerra Fria em tecnologias web. Portanto, EUA novamente procura novamente assumir o papel de regulador supremo e árbitro.

Ademais, Estados Unidos conhece a aplicação dos direitos e liberdades fundamentais no ciberespaço de nenhuma forma está desprovida de condições, pois este é limitado pelos interesses da segurança interna e a ordem pública, sem violar outros direitos.

Lukashevich indica que o tema da regulamentação da Internet deveria ser da competência das Nações Unidas baseando-se na soberania dos Estados nacionais, falicitando-se mecanismos de controle para sua aplicação, recomendando o Código de Conduta Internacional para a Segurança da Informação, sugerido pela Rússia na última sessão do Conselho de Segurança.

Por sua parte, congressista da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Chris Smith, defende a iniciativa, argumentando que a meta é proteger "as pessoas em dissidência com os estados que se vagam da repressão como ferramenta de controle político.".

Noticias Relacionadas[editar]

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati