Juíza é vítima de feminicídio em véspera de Natal

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

28 de dezembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Viviane Vieira do Amaral Arronenzi, juíza de direito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, foi assassinada a facadas pelo ex-marido, o engenheiro civil Paulo José Arronenzi, no dia 24 de dezembro de 2020, véspera do Natal, na Barra da Tijuca, localizado na Zona Oeste da capital do Rio de Janeiro.

O crime ocorreu no momento em que a vítima entregava as filhas ao pai, com quem esperavam passar a noite de Natal. O ataque foi filmado por uma testemunha, e no vídeo é possível perceber as três filhas implorando para o pai não matar a juíza. O laudo cadavérico apontou que foram dezesseis facadas, a maior parte na região do rosto. Meses antes, a juíza havia aberto mão do esquema de escolta policial, que visava justamente protegê-la de seu ex-marido, segundo uma amiga, "por pena dele".

De acordo o delegado Pedro Casaes, que investiga o caso, o crime foi premeditado, pois o ex-marido não aceitava o término do relacionamento. Em entrevista exibida no Fantástico, da Rede Globo, o delegado pontuou que: “Ele marcou nessa rua, que não é muito movimentada, estava um dia chuvoso. Não tiveram muitas testemunhas. A gente acredita que foi premeditado e que não foi um crime apenas passional. Ele era desempregado, então tinha muito interesse na condição financeira dela. Ele a chantageava, queria cada vez mais dinheiro.”

O caso ganhou repercussão nacional e manifestações de diversas autoridades e entidades, em especial do Poder Judiciário.

O Presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux manifestou em nota que: “O esforço integrado entre os Poderes constituídos e a sensibilização da sociedade civil, no cumprimento das leis e da Constituição da República, com atenção aos tratados internacionais ratificados pelo Brasil, são indispensáveis e urgentes para que uma nova era se inicie e a morte dessa grande juíza, mãe, filha, irmã, amiga, não ocorra em vão”.

O presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro também afirmou em nota: "Que o crime que vitimou a juíza Viviane seja um divisor de águas, iniciando-se a maior campanha de todos os tempos  contra a violência doméstica e familiar contra a mulher erradicando-se, de uma vez por todas, essa chaga do nosso Brasil!"

O presidente da Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro declarou: "Posso afiançar: esse crime não ficará impune. O feminicídio tem o repúdio veemente da sociedade brasileira. O Brasil precisa avançar. O que ocorreu nesta quinta-feira na Barra da Tijuca é absolutamente inaceitável".

A presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros, Renata Gil, que também é juíza do Estado do Rio de Janeiro, manifestou: "Nossa solidariedade aos familiares e amigos da juíza estadual Viviane Arronenzi, assassinada brutalmente, supostamente pelo ex-marido. O feminicídio é o retrato de uma sociedade marcada ainda pela violência de gênero. Precisamos combater esse mal!".

A guarda das três filhas da juíza ficou com a avó materna. No sábado (26), a avó, representando suas três netas, entrou com pedido de bloqueio das contas bancárias do acusado, a fim de garantir o sustento destas. A Justiça do Rio concedeu o bloqueio de 640 mil reais do acusado. Na decisão, o juiz justificou que pelo fato do acusado ter cidadania italiana, haveria risco do dinheiro ser transferido para o país europeu por meio de terceiros.

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit