Telegram não divulgará dados de usuários de Hong Kong

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

6 de julho de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O Telegram não divulgará dados de usuários de Hong Kong a pedido dos tribunais locais, apesar dos requisitos da nova lei de segurança nacional. Representantes do mensageiro disseram que essa posição permanecerá inalterada “até que seja alcançado um consenso internacional sobre as atuais mudanças políticas na cidade”.

No entanto, haverá exceções e elas afetarão solicitações relacionadas ao terrorismo. Se o Telegram receber uma ordem judicial confirmando que o usuário é suspeito de terrorismo, ele poderá divulgar o endereço IP e o número de telefone da pessoa às autoridades.

O WhatsApp também se recusou a transferir dados pessoais dos usuários.

Em junho, Hong Kong acionou algumas redes sociais devido à adoção de uma lei de segurança. O novo ato concede às autoridades amplos poderes para combater protestos: os manifestantes podem ser acusados ​​de separatismo, terrorismo e conspirandor com "forças estrangeiras". Como observaram os ativistas de direitos humanos, a definição de atividade terrorista na lei pode ser interpretada de maneira muito ampla, incluindo a inclusão de atos de vandalismo.

As autoridades chinesas acreditam que a lei de segurança nacional ajudará a impedir protestos em Hong Kong, semelhantes aos de 2019 contra a lei de extradição para a China continental.

A lei de segurança nacional, segundo seus críticos, levará à repressão em larga escala, ao fim da autonomia de Hong Kong e ao princípio de "um país, dois sistemas", sobre o qual as relações entre Pequim e Hong Kong foram construídas desde 1997.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit