Suicidas atacaram duas mesquitas com explosivos em Sanaa, Iémen

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Vista de Sanaa.
Minarete em Sanaa.
Foto: Franco Pecchio.

21 de março de 2015

Sanaa, Iémen(PT) ou Iêmen(BR) — Em Sanaa, capital do Iémen(em Portugal) ou Iêmen(no Brasil), duas mesquitas xiitas foram atacados por suicidas (homens-bomba) com explosivos escondidos nas vestimentas muçulmanas atados ao corpo, matando mais de 100 e ferindo outros 300. Os ataques ocorreram ontem, durante às orações do meio-dia na sexta-feira sagrada para os muçulmanos (equivalente aos sábados para os judeus e domingos aos cristãos), que é domingo para os islâmicos, quando tradicionalmente reúne os mais fiéis. Os ataques ocorreram na mesquita e Badr al-Hasuus, em lados opostos da cidade, realizados por quatro homens-bomba, embora se afirme que sejam dois.

Segunda a televisão, sob o controle dos rebeldes xiitas, informou que os ataques mataram 137 e deixaram outros 345 feridos. Autoridades médicas disseram anteriormente que os ataques mataram pelo menos 46 e feriram outras 100. Já a agência francesa France Press, transmitida por funcionários do Ministério da Saúde iemenita, de que o ataque matou pelo menos 77 pessoas.

Os ataques foram direcionados contra as mesquitas, que eram usadas por partidários do movimento rebelde Houthi, com apoio do ex-presidente Ali Abdullah Saleh (que governou na antiga porção Norte do país, de 1978 a 1990 e com a reunificação do país com antiga porção Sul de 1990 a 2011, totalizando 32 anos no poder).

Hoje o movimento rebelde Houthi controla além da capital Sanaa, quase toda antiga porção Norte, incluindo poucos territórios da antiga porção Sul, obrigando o presidente eleito Abd Rabbuh Mansur al-Hadi e seus partidários a se mudar para Áden, no sul.

Mohammed al-Bukhaiti, um político Houthi, acusou o grupo terrorista Al Qaeda na Península Arábica (AQPA, ligada à rede terrorista Al-Qaeda) de ser responsável pelo ataque. Já os partidários de Saleh também foram acusados ​​por um conselheiro político iemenita, Mohamed Qubaty, que chamou os ataques de "conspiração para expandir o cisma entre [muçulmanos] sunitas e zaidistas". O zaidismo é o ramo do Islã, baseado em islamismo xiita, seguido por Houthis.

No entanto, a AQPA, versão da Al-Caeda que está centralizada em Iêmen, negou qualquer responsabilidade dos atentados contra as mesquitas, em sites islâmicos e nas redes sociais, salientando a directiva dos seus líderes é não atacar mesquitas e mercados, geralmente frequentados por civis.

Porém, o grupo terrorista muçulmano sunita Estado Islâmico reivindicou a responsabilidade pelo ataque, de acordo com as contas mantidas pelo grupo no Twitter, que afirmam serem ligados ao grupo terrorista, o que seria segundo ataque do grupo. A organização terrorista montou base no Iémen no ano passado e em novembro, realizou seu primeiro ataque no país, até então, não era conhecida a presença desses terrorista e nem ter feito qualquer tentativas anteriores de atentados.

O porta-voz do Governo dos Estados Unidos, a Casa Branca, Josh Earnest, disse que a reivindicação do anúncio do grupo responsável pelos ataques não pôde ser confirmada, ao levantar a possibilidade de que esse reivindicação poderia ser usado como propaganda.

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, condenou os ataques e apelou para o fim das hostilidades, ao pedir moderação.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati