Sérvia pretende comprar aviões militares

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

27 de julho de 2020

A Sérvia quer reforçar suas forças armadas comprando aeronaves militares adicionais, disse o presidente Aleksandar Vučić no domingo. Ele fez essa declaração durante uma visita a uma brigada do exército na província autônoma de Voivodina.

“Não podemos acompanhar os presentes e doações que alguns dos países da OTAN vizinhos recebem dos EUA, Alemanha e outros países e, portanto, devemos lutar por nós mesmos para manter a paz e preservar nosso futuro por conta própria”, disse Vučić.

Ele não especificou qual avião militar Belgrado planeja comprar, mas, segundo ele, as compras visam garantir a segurança do país, bem como a estabilidade e a paz nos Bálcãs.

“Como um país militarmente neutro, queremos manter nossa neutralidade militar, o que significa que temos que cuidar de nossos céus por conta própria, cuidar de nosso país. Investiremos dinheiro e acredito que, não desejando participar de nenhuma corrida, sempre poderemos garantir segurança, estabilidade e paz”, continuou Vučić.

A mídia pró-governo informou que a Sérvia solicitou oficialmente 20 caças-bombardeiros dos EUA, mas Washington não respondeu ao seu pedido. Os relatórios, no entanto, diziam que, se os EUA recusassem, a Sérvia provavelmente compraria um avião de ataque Su-25 da Rússia.

"América, Turquia e Alemanha estão cuidando de sua amada ideia", disse Vučić, referindo-se ao Kosovo. Washington equipou recentemente as forças de segurança do Kosovo com veículos blindados, disse ele.

Apesar das alegações de neutralidade militar da Sérvia, Belgrado recebeu recentemente um avançado sistema antiaéreo da Rússia, incluindo caças, helicópteros de ataque e veículos blindados.

A Sérvia também recebeu drones militares de outro aliado, a China.

Os Estados Unidos disseram que imporiam sanções à Sérvia se Moscou continuasse enviando armas ao país, o que poderia ameaçar a segurança dos países membros da OTAN vizinhos.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com