Presidente de Belarus toma posse apesar dos protestos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

23 de setembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O presidente Alexander Lukashenko, da Bielorrússia, assumiu seu sexto mandato nesta quarta-feira durante uma cerimônia que não havia sido previamente anunciada. O motivo para a falta do anúncio oficial são os protestos em massa contra a reeleição de Lukashenko. Ativistas dizem que a última eleição foi fraudada.

A agência de notícias estatal Belta informou que a cerimônia de posse ocorreu na capital, Minsk, com a presença de várias centenas de altos funcionários do governo, legisladores, representantes da imprensa e outras figuras proeminentes.

Lukashenko, de 66 anos, prestou juramento com a mão direita sobre a constituição do país e o chefe da Comissão Eleitoral Central do país entregou-lhe a carteira de identidade oficial como presidente do país. "O dia de assumir o cargo de presidente é o dia da nossa vitória, convincente e fatídica", disse Lukashenko na cerimônia. "Não estávamos apenas elegendo o presidente do país - estávamos defendendo nossos valores, nossa vida pacífica, soberania e independência".

Lukashenko comanda a Bielorrússia, uma nação ex-soviética de 9,5 milhões de habitantes, com punho de ferro pelos últimos 26 anos. Os resultados oficiais das eleições presidenciais do país no último dia 9 de agosto apontam que ele ganhou com 80% dos votos e que sua oponente mais forte, Sviatlana Tsikhanouskaya, obteve 10%.

Tsikhanouskaya, que teve que se exilar em outro país após o pleito, não aceitou o resultado das eleições - nem os milhares de seus apoiadores, que continuaram exigindo a renúncia de Lukashenko durante os protestos que já duram seis semanas.

Os Estados Unidos e a União Europeia questionaram a eleição e criticaram a brutal repressão policial a manifestantes pacíficos durante os primeiros dias de manifestações.

O ministro das Relações Exteriores da Lituânia, Linas Linkevicius, classificou a cerimônia de posse como "uma farsa". "Eleições forjadas. Posse forjada. O ex-presidente da Bielorrússia não fica menos ex-presidente. Muito pelo contrário. Sua ilegitimidade é um fato com todas as consequências que isso acarreta", disse Linkevicius no Twitter.

O porta-voz da chanceler alemã Angela Merkel, Steffen Seibert, considerou o fato de a cerimônia ter sido preparada em segredo "muito revelador". "Mesmo após a cerimônia de hoje, o Sr. Lukashenko não pode reivindicar legitimação democrática, o que seria a condição para reconhecê-lo como o presidente legítimo", disse Seibert.

Os protestos exigindo a renúncia de Lukashenko ocorrem diariamente desde a eleição, com os maiores, em Minsk, atraindo até 200.000 pessoas.

Durante os primeiros três dias de protestos, a polícia usou cassetetes e balas de borracha para dispersar a multidão. Vários manifestantes morreram e mais de 7.000 foram detidos.

O horário e local da cerimônia de inauguração não foram divulgados com antecedência. Policiais bloquearam áreas centrais de Minsk esta manhã e os serviços de transporte público foram suspensos.

O grupo de direitos humanos Viasna disse que vários manifestantes, que carregavam cartazes que diziam "O rei está sem roupa" e "A vitória (pertencerá) ao povo", foram detidos perto do Palácio da Independência, onde foi realizada a cerimônia.

Alexander Klaskousky, um analista independente baseado em Minsk, disse que o sigilo em torno da posse do presidente ilustra a ameaça que os protestos contínuos representam para o poder de Lukashenko. "A posse secreta ilustra o nível de confiança do líder nos resultados oficiais da eleição e no povo. Aqueles que oficialmente obtiveram 80% dos votos não agem assim", disse Klaskousky.

Lukashenko se irritou com as sugestões de diálogo com a oposição. Em meio à indignação internacional, as autoridades bielorrussas passaram a processar ativistas importantes e fizeram detenções em massa, evitando a violência em grande escala. Muitos membros do Conselho de Coordenação que foi formado pela oposição para pressionar por uma transição de poder foram presos ou forçados a deixar o país.

Um proeminente membro do Conselho de Coordenação, Pavel Latushko, comparou a cerimônia de posse com uma "reunião de ladrões" e se recusou a reconhecer Lukashenko como presidente. "Para nós, cidadãos da Bielorrússia, para a comunidade internacional, ele não é ninguém. Um erro lamentável da história e uma desgraça do mundo civilizado ", disse Latushko no aplicativo de mensagens Telegram. "Jamais concordaremos com a falsificação (da eleição) e exigimos uma nova votação. Exortamos todos a se envolverem na desobediência civil indefinida".

Notícias Relacionadas

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit