Policiais desabilitam o serviço EncroChat

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

3 de julho de 2020

Nesta sexta-feira (3), a polícia britânica fechou o serviço criptografado de comunicações EncroChat, usado por criminosos cibernéticos. Durante a Operação Venetic, foram presas 746 pessoas, £ 54 milhões em dinheiro, 77 armas de fogo e mais de duas toneladas de estupefacientes.

O EncroChat foi um dos maiores serviços do mundo para comunicações criptografadas (mensagens e telefonemas). O serviço totalizou cerca de 60 mil usuários em todo o mundo, dos quais 10 mil no Reino Unido.

De acordo com a Agência Nacional de Combate ao Crime (NCA), o EncroChat foi usado exclusivamente para planejar e organizar atividades criminosas, em particular para distribuir mercadorias ilegais, lavar dinheiro e determinar assassinatos.

Desde 2016, a NCA, juntamente com as agências policiais de outros países, trabalha para desativar o EncroChat e outros serviços que fornecem comunicações criptografadas. Há dois meses, os parceiros da NCA na França e Holanda conseguiram invadir o EncroChat e transferir os dados para a Europol.

Sem o conhecimento dos usuários do serviço, a NCA, juntamente com a polícia, monitorou cada uma de suas ações. Confiantes em total segurança, os criminosos se comunicaram como se nada tivesse acontecido, mas por vários meses os policiais interceptaram suas comunicações usando uma ferramenta especial instalada na rede.

Os operadores do EncroChat detectaram uma operação policial apenas em 13 de junho de 2020. Eles enviaram mensagens aos usuários pedindo que jogassem fora seus telefones. Esses telefones, custando cerca de 1.500 libras cada, foram vendidos. Todos dispositivos foram equipados com uma função de autodestruição, permitindo apagar todos os dados armazenados nele.

“Se essa é a NCA, temos grandes problemas. Este ano a polícia está ganhando”, disseram os operadores do EncroChat em comunicado.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com