Polícia impede a Parada Gay em Istambul pelo terceiro ano consecutivo

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Ir para: navegação, pesquisa

28 de junho de 2017

No domingo, a polícia impediu a Parada do Orgulho Gay de Istambul, uma marcha anual pelo LGBT na maior cidade da Turquia, Istambul. De acordo com as informações, os policiais usaram balas de borracha e de plástico e atiraram gás lacrimogêneo para impedir que os participantes desfilem, depois que o gabinete do governador de Istambul encomendou no sábado para que não realizasse a marcha, alegando razões de segurança. Com isso, o ano de 2017 tornou-se o terceiro ano consecutivo em que os ativistas foram proibidos de realizar sua manisfestação.

Arquivo de foto na Marcha de Istambul de 2013.
Imagem: Lubunya.

Na declaração divulgada pelo gabinete do governador dizia: "não foi feito um pedido que se encaixa aos métodos de nosso gabinete do governador", embora os organizadores da marcha discordaram. Apesar da homossexualidade ter sido legal na Turquia por quase um século, o gabinete do governador informou "graves reações contra a marcha". Ativistas encontraram pontos de controle e um grande número de policiais perto da Avenida İstiklal (parte europeia da cidade).

Os organizadores da parada do dia de orgulho gay relataram que 41 foram presos pela polícia. O ultra-direitista Lareiras de Alperen estava entre grupos nacionalistas que fizeram pedidos pela proibição da marcha. Na semana passada, em 19 de junho, Kürşat Mican, do Alperen, disse: "Nós não vamos permitir que eles caminhem. Onde que quer que marchem, também nós iremos. Nós vamos fechar essa rua e eles não poderão ir lá. Se nós desejamos, nossos números podem chegar a 200.000".

Em uma declaração dos organizadores da parada, no domingo, eles disseram que "nossa segurança será providenciada reconhecendo-nos na Constituição, assegurando a Justiça, pela igualdade e a liberdade". Os legisladores turcos ainda não promulgaram leis que protegem a comunidade LGBT dos discursos de ódio e garantirem os direitos civis. Em 2010, Selma Aliye Kavaf, então ministra das Mulheres e Assuntos Familiares, disse: "Eu acredito que a homossexualidade é uma desordem biológica e esta doença precisa de tratamento". Ben eşcinselliğin biyolojik bir bozukluk, bir hastalık olduğuna inanıyorum. Tedavi edilmesi gereken bir şey bence. Após a frustrada tentativa de realizar a marcha, os organizadores divulgaram um comunicado no domingo, dizendo que, "Nós não estamos com medo, estamos aqui, não vamos nos mudar [...] Você estão assustados, você vai mudar e você vai se acostumar com isso."

O İstanbul Onur Yürüyüşü (Parada do Orgulho de Istambul), nome local para parada do orgulho gay, foi organizado pela primeira vez em 2003, atraindo por variadas informações, dezenas de milhares para possivelmente até cem mil pessoas em 2014, quando o último desfile foi realizado. Depois da última parada ser realizada, começou a ser impedida por três vezes nos últimos três anos. No ano passado, os organizadores não receberam permissão para fazer a Parada Gay depois que a cidade de Istambul ter enfrentado ataques militares. Em 2015, a parada foi interrompida quando estava prestes de começar e a polícia usou canhões d'água e gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes.

Notícia Relacionada

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati