Morre nos Estados Unidos, médico infectado pelo ebola em Serra Leoa

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

Portal Obituário
Outras notícias sobre obituário

17 de novembro de 2014

O cirurgião Martin Salia, de 44 anos, morreu, hoje (17), no Centro Médico de Nebraska, nos Estados Unidos, onde estava internado desde sábado (15). Morador de Maryland, Salia contraiu o vírus enquanto trabalhava em um hospital de Freetown, em Serra Leoa, país africano onde nasceu.

“Informamos com imenso pesar que o terceiro paciente que tratamos por ebola, o doutor Martin Salia, morreu devido aos sintomas muito avançados da doença”, informou o centro médico que, ontem (16), anunciou que o estado clínico do cirurgião era grave.

Salia foi o primeiro cidadão de Serra Leoa infectado pelo ebola a ser repatriado para os EUA, onde outras nove pessoas já recebem tratamento. A maioria contraiu a doença em países africanos.

“Apesar dos esforços", a doença estava em estágio avançado para que [o médico] pudesse ser salvo, lamentou o hospital, especialmente equipado para o tratamento de doentes afetados pelo vírus.

O diretor da instituição, Phil Smith, informou que Martin Salia sofria de deficiência renal e respiratória quando chegou aos Estados Unidos. Além de ser submetido a diálise e de contar com auxílio de equipamentos para respirar, o médico recebeu plasma de um doador que se curou da doença e um soro experimental ainda não testado em ensaios clínicos. Mesmo assim, seu organismo não conseguiu combater o vírus.

“Utilizamos os tratamentos disponíveis para garantir todas as hipóteses de sobrevivência ao doutor Salia”, acrescentou o diretor da unidade especializada do hospital, Phil Smith.

Com a morte de Salia, se torna o segundo africano a morrer com essa doença, pois o primeiro a morrer foi liberiano. Dos nove infectados com o vírus tratados nos Estados Unidos, sete conseguiram se curarem após longo tratamento.

Notícias Relacionadas

  • "[[|]]", Wikinotícias, .

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati