Morre aos 84 anos, o escritor italiano Umberto Eco

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Portal Obituário
Outras notícias sobre obituário
Umberto Eco, 2005.
Imagem: Università Reggio Calabria.

20 de fevereiro de 2016

O escritor, filósofo, sociólogo, cientista, historiador e medievalista italiano de renome internacional, Umberto Eco, morreu ontem à noite na sexta-feira (19), pouco mais de um mês de completar seus 84 anos de idade. Ficou conhecido internacionalmente por escrever diversos livros, entre os mais conhecidos são o romance "O Nome da Rosa" (que virou filme nos Anos 90) e a sofisticada Romen como "O Péndulo de Foucault".

A notícia da morte foi feita pela própria família do italiano, que teve lugar em sua própria residência na cidade de Milão (norte da Itália), que não especificou a causa da morte e outros detalhes, embora já é pública há anos, ele sofria de cranco/câncer.

Biografia

Nascido em 5 de janeiro de 1932 na cidade de Alessandria (ou Alexandria?), situada perto de Turim, na região italiana do Piemonte. Em 1954, graduou-se na Universidade de Turim, onde estudou literatura medieval e filosofia. Umberto Eco foi autor de numerosos artigos científicos sobre semiótica, estética, filosofia e linguística, inclusive também envolvida em actividades de ensino.

Em 1956, ele publicou seu primeiro livro, uma versão expandida da sua tese de doutoramento. Com o livro "Opera Aperta" de 1962, tornou-se famoso como um teórico cultural brilhante. Um dos livros de seus primeiros infantis lida com um tema semelhante, é chamado de "La bomba e il generale" que apareceu em 1966. Em 1975, passou ensinar na Universidade de Bolonha e anos depois, tornou-se professor emérito até sua morte.

Tornou-se famoso pela primeira vez com uma série de ensaios sobre temas filosóficos e sociológicos, que se distingue por uma grande produção e capaz de cobrir diferentes áreas, a análise estética medieval da influência da mídia na cultura de massa. Sua obra literária que vão desde livros infantis a sofisticada "Romen" até "O Péndulo de Foucault".

Apesar ser ensaísta, seu sucesso mundial veio em 1980, com o primeiro romance da atmosfera medieval O Nome da Rosa, um best-seller traduzido em 47 idiomas (entre elas o português) e mais tarde transformado em filme homónimo dirigido por Jean-Jacques Annaud, estrelado por Sean Connery. O filme foi bem sucedido após a estreia nos cinemas, ele escreveu mais livros, principalmente de romances.

Fundou em 1988 o Departamento de Comunicação da Universidade de San Marino. No mesmo ano, lançou "O Péndulo de Foucault". Este romance pode ser interpretado como uma sátira sobre todo o esotérico. A trama não só tem inúmeros paralelos com o fascismo italiano, mas é também um ataque descrito por uma mala-bomba no trem para Bolonha, que tem uma notável semelhança com os eventos reais de 1980 ainda não esclarecida, maquinações das sociedades secretas italianos e agências de inteligência do governo no fundo do romance de Eco, embora as organizações tais como P2, SISMI ou Gladio não sejam identificadas, o que são.

Em anos recentes, seu nome também apareceu junto com William Auld, duma lista de candidatos para o Prémio Nobel de Literatura. O mais recente e seu último livro foi [O] Número Zero, publicado em 2015, lançado no dia do seu aniversário.

Embora ele não saber do Esperanto, era um defensor dessa língua:

As pessoas continuam a perceber o esperanto como a oferta de uma ferramenta. Eles não sabem nada sobre o ímpeto ideológico que dá vida. No entanto, apenas a biografia de Zamenhof me amava. Nós seria melhor para espalhar este aspecto! ... O aspecto histórico e ideológico do esperanto é fundamentalmente desconhecido.

Umberto Eco também é lembrado por seu trabalho jornalístico. Por exemplo, no ensaio "Fascismo Eterno", de Umberto Eco dá uma lista de sinais de que ele chama de "ur-fascismo" ou "fascismo eterno". Segundo ele, se houver 6-7 sintomas desta lista em uma sociedade, é perto do início do fascismo:

  1. O culto da tradição; sincretismo cultural que implica desprezo pelas contradições que contém a maior verdade de revelações antigas.
  2. A rejeição do modernismo, o irracionalismo. No exemplo dado a oposição de "sangue e solo" de "arte degenerada" na Alemanha nazista.
  3. O culto da "ação para a ação", a desconfiança do intelectual.
  4. Rejeição de ceticismo: a dúvida é interpretado como uma traição.
  5. A xenofobia, o racismo.
  6. Bourgeois, apoiar a classe média.
  7. Nacionalismo; obsessão com teorias da conspiração, o cultivo de uma sensação de estar em um cerco.
  8. O inimigo é retratado como um extremamente poderoso para os seguidores sentiu-se humilhado, e ao mesmo tempo suficientemente fraco que pode ser superado.
  9. A vida é entendida como uma guerra contínua e pacifismo - como a colaboração com o inimigo.
  10. Elitismo, o desprezo para os fracos.
  11. O culto do heroísmo e do culto da morte.
  12. Machismo, sexismo, a rejeição do comportamento sexual fora do padrão.
  13. "O populismo eleitoral": os indivíduos não são percebidos de forma diferente como um único povo monolíticas, cujos vai expressa o líder supremo. Rejeição do parlamentarismo.
  14. Usando newspeak.

Reacções

A notícia da morte de Umberto Eco, ocorreu por volta das 22:30 de sexta-feira (19), devido ao tumor que estava sofrendo, foi comunicado à imprensa por sua família. Desde então, condolências têm vindo da mais alta personalidade política e da cultura italiana e estrangeira, inclusive pela internet por meio nas redes sociais. Eco deixou a esposa e dois filhos.

Galeria de Imagens

Notícia Relacionada

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati