Manifestantes protestam contra saída de Carmen Aristegui da Noticias MVS

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Manifestantes fora da MVS Radio.
Foto: ProtoplasmaKid.

17 de março de 2015

Cartazes em apoio à jornalista.
Foto: ProtoplasmaKid.
O ativista e escritor Paco Ignacio Taibo II dando uma mensagem na concentração.
Foto: ProtoplasmaKid.

Cerca de três mil manifestantes foram para o local da Noticias MVS na Avenida Mariano Escobedo da Cidade do México para protestar contra a demissão da jornalista Carmen Aristegui, ocorrido no domingo 15 de março. Durante o protesto foram entregues 170 mil assinaturas de apoio o fato a Gabriel Sosa Plata, defensor da locutora de empresa de rádio.

O grupo de pessoas gritavam "¡Todos somos Carmen!" em solidariedade com a comunicadora de 51 anos. Então, depositaram diante a porta fechada da estação caixas com assinaturas contra a medida tomada pela MVS contra a jornalista, que ostenta desde há anos ser a mais escutada em rádio em noticiários matutinos no país, além de ter tratado temas polêmicos diretamente a mais 12 anos.

Dentro do espaço radiofônico cancelado, Aristegui revelou assuntos sensíveis. O último foi uma extensa reportagem sobre uma casa com 7 milhões de dólares adquiridos por Angélica Rivera, esposa do presidente Peña Nieto. A propriedade foi comprada da construtora Grupo HIGA, beneficiada durante a gestão de Peña Nieto como governador do Estado do México com contratos milionários e participante na licitação do trem da Cidade do México para Querétaro, na qual seria cancelada antes do escândalo. Dito tema levaria a uma série de fortes críticas dentro e fora do México.

Na opinião do escritor e ativista, Paco Ignacio Taibo II, a ação tende a censura e pela liberdade de expressão no México. "Eles não podem tapar o sol com um dedo. Ninguém vai acreditar que temos um conflito no ambiente de trabalho. Enfrentamos a guilhotina que pretende baixar e cortar a liberdade de expressão neste país", disse ele. Mais tarde, Gabriel Sosa Plata, advogado da ouvinte da empresa radiofônica, se diz estranha diante a reação exagerada da MVS no tratamento dado a Aristegui quando frequentemente ocorrem condutas piores dentro dos conteúdos dos programas do dito meios, como posturas sexistas, misóginas e inclusive programas abertamente promocionais.

Os manifestantes convocaram finalmente a uma nova mobilização a favor de Carmen Aristegui no próximo 26 de março.

Fontes[editar]

Reportagem original
Esta notícia contém reportagem original de um Wikicolaborador.

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati