Maiores empresas dos EUA boicotam o Facebook

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

29 de junho de 2020

Nesta segunda-feira (29), as maiores empresas dos Estados Unidos boicotaram o Facebook por "publicações de ódio, violência e racismo". Por isso, as ações da NASDAQ caíram 8,3%, enquanto a empresa perdeu US$ 7,1 bilhão.

A campanha "Pare o ódio pelo lucro" (em inglês: The Stop Hate for Profit) afirma que o Facebook não está lutando o suficiente contra as publicações racistas, de ódio e desinformação antes das próximas eleições presidenciais nos EUA.

A publicidade no Facebook foi temporariamente abandonada pela fabricante de roupas esportivas The North Face; a maior fabricante de refrigerantes do mundo, a Coca-Cola Company; a operadora de telecomunicações, Verizon Communications; um dos maiores fornecedores globais de bens de consumo, Unilever, etc. O número de participantes no boicote excedeu cem.

No mesmo dia, Mark Zuckerberg reagiu às críticas. Ele disse que proibirá o discurso de ódio em anúncios e também marcará publicações que violam as políticas da empresa. Anteriormente, o Facebook mantinha a posição de que declarações políticas não deveriam ser removidas da plataforma. Por exemplo, as declarações do presidente Donald Trump não foram removidas, ao contrário do Twitter.

Em 2019, 99% da receita do Facebook correspondia a publicidade. Para comparação, a Unilever gastou US$ 42,3 milhões no ano passado com anúncios. Uma campanha massiva voltada para mudanças na internet ocorre no contexto dos protestos devido a morte do afro-americano George Floyd.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com