Forças gadafistas na Líbia tomam Bani Walid

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

24 de janeiro de 2012

Bani Walid, Líbia — O conflito interno da Líbia, que parecia ser superado após a morte de Muammar el Gaddafi em outubro passado, renasce outra vez com a tomada de Bani Walid por parte das forças gadafistas como as tropas leais ao Conselho Nacional de Transição enviam reforços com fim de retomar a cidade.

O ataque, que foi precedido da desalojar do poder por agentes da CNT nesta cidade, causou cinco mortes no lado dos governadores e 30 feridos e a continuação, içaram novamente a bandeira do regime da Jamahiriya (ou Yamahiriya), dando gritos de vitória "Deus, Muammar e Líbia, Já!", se bem, os jornalistas que estavam na cidade afirmaram que não havê-las visto. Durante o curso de terça-feira, 200 anciãos se reuniram na mesquita principal da cidade anunciando um novo governo para substituir ao que regiam até o momento. Além disso, a tomada da cidade coincide com a presença de tropas dos EUA no porto petrolífero de Brega em meio a persistentes protestos da população pelo ritmo lento das reformas, a violação dos direitos humanos dos seguidores do falecido ex-líder líbio que permanecem nas prisões e a falta de controle militar do governo pró-ocidental de Trípoli.

A reação da CNT não se tardou de esperar-se, já que o oficial do Exército líbio Abdala al Bursali anunciou um ultimato para os gadafistas (ou kadafistas), na qual "se não entregarem as armas e pessoas procuradas, a última opção será a retormada militar", enquanto um porta-voz da Força Aérea do país havia informado que o governo mobilizará os aviões para recapturar a cidade.

Em meio a temores de que a Líbia retorno a uma guerra civil, o jurista Sabah al-Mujtar, indicou que a falta do controle de armas, a presença da OTAN e a luta entre as distintas facções de poder (religiosas, políticas e étnicas) faz que a "ameaça seja cada vez mais real", enquanto a analista política Laila Tajeldine, sinaliza que a luta iniciada desde fevereiro passado não é mais "um agravamento do conflito", em a qual "não há nenhuma novidade.".

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati