Facebook renova suas diretrizes sobre conteúdos proibidos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Navegação Internet
Outras notícias sobre Internet

16 de março de 2015

Facebook está oferecendo a seus usuários informação sobre que conteúdos estão proibidos na rede social. Entre a informação que já distribuída se inclui uma peça separada sobre "organizações perigosas" e ampliam os detalhes sobre que tipo de imagens de pessoas nuas se podem publicar.

A companhia espera que essas novas diretrizes apontem "clareza" de um tema que já gerou muita controvérsia. A nova guia vai substituir a anterior na página web de Facebook e será enviado aos usuários que apresentem queixas sobre algum 'post'.

A responsável pelo conteúdo do Facebook, Monika Bicket, disse que, com a reformulação da guia se pretende acabar com a confusão sobre o porquê se rechaçam (ou rejeitam) algumas petições (pedidos) para bloquear algum tema (ou conteúdo).

"Enviamos uma mensagem explicando que não eliminamos determinados conteúdos por que não viola as nossas regras e a gente têm dúvidas sobre o que queremos dizer quando não permitimos a intimidação a outras pessoas ou sobre a nossa política sobre o terrorismo", afirmou Bicket em declarações à BBC.

"Por exemplo, agora deixamos claro que não só não permitimos que organizações terroristas e seus membros estão no Facebook, se não que tampouco permitimos que mensagens de apoio, algo que antes não havíamos detalhado", continuou.

As diretrizes sobre nus são muito mais detalhadas do que as "limitações" que se ofereciam na anterior guia. Facebook afirma que são proibidas as "nádegas totalmente expostas" e as imagens de "peitos femininos se nelas incluem o mamilo", mas especifica que se permitam imagens de mulheres amamentando [dando o peito] a seus bebês ou mostrem a cicatrização depois de uma mastectomia. Ademais, as restrições se estendem ao conteúdos digitais a menos que estes tenham fins educativos ou satíricos e a textos que descrevem atos sexuais.

Por último, a rede social esclarece que perseguirá o 'bullying' (imagens ou vídeos alterados para degradar a um indivíduo), o 'discurso do ódio' (agora será permitido compartilhar determinadas expressões sempre e quando seu fim seja criar consciência sobre o tema) as 'atividades criminais' (será permitido propor a legalidade de algo que se considera ilegal, porém se seguirá a perseguir a realização dos delitos) e a 'auto lesão'.

Fonte[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati