Estado Islâmico divulga vídeo em que mostra decapitação de 21 cristãos coptas sequestrados na Líbia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bandeira do Estado Islâmico (EI).

15 de fevereiro de 2015

Líbia — Um vídeo divulgado no final da tarde de hoje (hora local no centro da Europa) na internet, com cinco minutos de duração, mostra a execução por decapitação, os 21 cristãos coptas egípcios por grupo terrorista do Estado Islâmico, mortos por faca por cada um dos seus 21 carrascos encapuzados de cabeça aos pés. O vídeo mostra que eles foram decapitados em praia, atrás do Mar Mediterrâneo, local litorâneo aparentemente próximo a Trípoli, na Líbia.

Os cativos, todos mostrado que está sendo executado em macacões laranja no vídeo, foram apanhados em Sirte, uma cidade costeira na Líbia, entre os meses de dezembro e janeiro. O vídeo afirma que os cristãos foram alvo de EI por causa de sua religião.

A liquidação em massa, mostrado no vídeo, o que indica a possibilidade de que o grupo extremista que estabeleceu "califado" na Síria e no Iraque, agora feito um posto avançado direto de apenas 800 quilômetros do extremo sul da Itália.

Um dos extremistas sobre o vídeo mostra com faca ao mar e diz que a organização terrorista agora pretende "conquistar Roma", capital da Itália.

Reações

O presidente do Egito, Abdel Fattah al-Sisi, reagiu com indignação a divulgação do vídeo a bárbara execução dos cidadãos, já que o país concentra minoria cristã copta (12% do país) de maioria muçulmana e respondeu através da introdução de sete dias de luto nacional.

O Egito e todo o mundo estão em uma batalha feroz com grupos extremistas transportando ideologia extremista e compartilhando os mesmos objetivos.

Abdel Fattah al-Sisi

A comunidade cristã copta reagiu com grande ultraje e tristeza à execução, principalmente os parentes dos cativos.

A Igreja Ortodoxa Copta declarou que foram "confiante" justiça seria feita sobre aqueles que executaram as suas seguidores.

A Universidade Al-Azhar, no Centro de Cairo, baseado para aprendizagem islâmica, descreveu o assassinato de cristãos como "bárbaro" e afirmou as ações têm "nada a ver com qualquer religião ou valores humanos".

Líbia sob Estado Islâmico

Até recentemente, o Estado Islâmico só tinha atividades na Síria e no Iraque, com espaça atividade no Líbano, quando em 5 de outubro de 2014, a cidade líbia de Derna, que era dominada pelos islâmicos em meados do ano passado, quando chegaram por barcos direto da Síria, declararam aliança com Estado Islâmico, passando a expandir territórios nos arredores da cidade.

Nos primeiros dias de janeiro de 2015, o centro do país, os campos da região de Sabhra, passou ao controlo de EI, depois que umas das alas dos grupos islâmicos que dominaram Trípoli em agosto passado, passaram a jurar fidelidade ao EI líbio.

Após manter o controlo de Derna, decidiu expandir repetir a conquista de Derna contra Sirte, antigo reduto dos partidários do regime deposto de Muamar Kadafi e conseguiram dominar a cidade no início de fevereiro. Em seguida, cerca de uma semana depois, dia 9 de fevereiro, a cidade de Nofaliya (ou Nawfaliya) foi conquistada após um dia de combates.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati