EU executam a primeira mulher desde 1953

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

13 de janeiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Por VOA News

O governo dos Estados Unidos (EU) executou hoje a primeira presidiária em quase 70 anos. Lisa Montgomery morreu na madrugada desta quarta-feira em uma prisão federal em Terre Haute, Indiana.

Uma série de contestações legais visando impedir a execução terminou com a decisão da Suprema Corte dos EU na terça-feira de que a execução poderia prosseguir.

Montgomery foi condenada em 2007 por estrangular uma mulher grávida e tirar o bebê de seu útero. Montgomery pegou a criança e tentou simular que era seu filho.

Sua defesa argumentou que ela sofreu de “tortura sexual”, incluindo ter sido estuprada por uma gangue, quando criança, deixando-a permanentemente com uma cicatriz emocional e agravando os problemas de saúde mental que ocorriam em sua família.

O advogado Kelley Henry disse em um comunicado que a decisão de executar Montgomery foi um "exercício vicioso, ilegal, desnecessário e autoritário". "A sede de sangue covarde de uma administração fracassada estava em plena exibição esta noite", disse Henry. "Todos que participaram da execução de Lisa Montgomery deveriam sentir vergonha", falou.

O Departamento de Justiça dos EU disse que a execução foi "de acordo com a sentença capital unanimemente recomendada por um júri federal e imposta pelo Tribunal Distrital dos EU para o Distrito Ocidental de Missouri".

Montgomery é o 11º prisioneiro federal executado desde julho, quando o presidente Donald Trump retomou as execuções federais após um intervalo de 17 anos.

Havia mais duas execuções agendadas para o final desta semana, pouco antes do final do mandato de Trump, mas um juiz federal em Washington as suspendeu depois que os dois presos testaram positivo para covid-19 .

Fontes[editar]


Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com