Correio Braziliense: Novo chanceler das FARC vive em São Paulo

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

27 de julho de 2006

Brasil

Segundo o Correio Braziliense um novo chanceler das FARC há três meses mora escondido em São Paulo. O jornal cita como fontes o Departamento Administrativo de Seguridad (DAS) da Colômbia.

Segundo a Associated Press a Embaixada da Colômbia em Brasília disse que não está informada sobre a presença do integrante dos FARC em território brasileiro. A reportagem entrou em contacto com a Polícia Federal mas esta não respondeu.

O novo chanceler das FARC no Brasil é Orlay Jurado Palomino, conhecido também como "Comandante Hermes". Ele está envolvido no seqüestro e assassinato de de Cecília Cubas Gusinky, filha do ex-presidente paraguaio Raúl Cubas, seqüestrada em setembro de 2004 e cujo cadáver foi encontrado em 17 de fevereiro, na localidade de Nemby, nos arredores de Assunção.

Segundo o Correio Braziliense, o DAS informou que Comandante Hermes assumiu o comando da Comissão Internacional das Farc depois que Rodrigo Granda foi preso na Venezuela por autoridades colombianas.

Ele teria também assumido as funções de outra liderança das FARC, o padre colombiano Francisco Cadena Collazos, ou padre Olivério Medina, que foi preso pela Polícia Federal em 24 de agosto de 2005. O Brasil concedeu este mês a condição de refugiado para Medina e em breve ele deve sair da prisão.

O jornal disse que o Comandante Hermes viaja pelo Brasil, Argentina, Venezuela, Paraguai com o nome falso de Libardo Antonio Benavides e com carteira de identidade e passaporte equatorianos, embora ele seja colombiano, segundo dizem as autoridades.

Segundo revelou a fonte para o Correio Braziliense, o Hermes " vive com uma brasileira e assumiu os contatos de Cadena Collazos, inclusive com o PT".

O jornal cita ainda um fac-símile com trechos de mensagem de e-mail enviadas por Ricardo Granda e de Olivério Medina para o alto-comandante das FARC Raúl Reyes. No email atribuído a Granda ele relata sobre os seus contatos paraguaios do partido Pátria Livre. No outro email o então embaixador das FARC para o Brasil Olivério Medina informa Reyes, Granda e o Comandante Hermes que assume as funções de Granda e Tomás Medina Caracas.

A reportagem do Correio Braziliense informa também que existe pelo menos um segundo comandante das FARC no Brasil, identificado pelo serviço secreto colombiano como Ocyuber Sánchez ou "Hugo Mal Ojo". Segundo o jornal, Sánchez teria como missão buscar armas, uniformes e suprimentos na Venezuela e no Brasil.

As FARC teriam um apartamento em Manaus que funcionaria como refúgio e esconderijo para os guerrilheiros. O imóvel, segundo o jornal, fica no condomínio Jardim Brasil, no bairro Raiz, um conjunto de apartamentos de classe baixa. O Correio Braziliense disse que visitou o imóvel e verificou que ele está alugado para uma peruana chamada Bárbara Bazuki, que mora com a irmã.

Relatórios do DAS dizem que Sánchez é o segundo na linha comando na estrutura da Comissão de Finanças da Frente 16 das FARC.

Sanchéz teria ajudado o comandante das FARC Tomás Medina Caracas, ou "Negro Acacio" a se esconder. "Negro Acacio" é quem negociava diretamente com o narco-traficante brasileiro Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar.

Segundo o serviço de inteligência colombiana as FARC usam como meio de transporte para armas, suprimentos e drogas, um barco cargueiro chamado Ana Paula, de 40 toneladas. O barco, com as cores verde e branca, teria a bandeira do Brasil.

Fontes