Chocolate pode equilibrar reações ruins provocadas pela cafeína, sugere cientista russa

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

25 de julho de 2020

Você pode se animar de manhã, não apenas com café ou chá forte. Os grãos de café com cobertura de chocolate podem ser uma alternativa útil para o coração e o sistema nervoso, disse a neuropsicóloga Irina Khvingia à rádio Sputnik.

Os grãos de café no chocolate dão o mesmo efeito revigorante que uma xícara de café, mas com consequências menos desagradáveis. Em particular, eles não causam sobrecarga no cérebro, o que pode acontecer com uma grande dose de cafeína, disse Irina. "O café, devido à cafeína, ativa o sistema nervoso central, mas o consumo excessivo dá uma reação inversa: a atenção é perturbada e a irritabilidade aumenta. Com o excesso de tensão, o cérebro começa a funcionar mal e o chocolate impede que essa sobrecarga ocorra devido às vitaminas do complexo B, que têm um efeito calmante e cria equilíbrio", completou.

Os grãos de café no chocolate também trazem menos danos ao coração humano do que a xícara habitual de café. "Café e cafeína têm um efeito ruim no sistema cardiovascular. O chocolate é o contrário, pois reduz o colesterol. Café e chocolate se complementam. Eles reduzem os efeitos nocivos um do outro", segundo Irina.

Deve-se entender que nem café nem grãos de café no chocolate são uma milagre. Irina lembra que esse dopping pode resolver problemas temporários, mas não ajudará a combater a falta crônica de sono e a fadiga. "Cinco grãos de café no chocolate são mais do que suficientes para ativar levemente o sistema nervoso e manter o desempenho por um tempo, mas é importante entender que, mesmo que você consuma toneladas deles, o efeito ainda será breve. Se uma pessoa tem insônia crônica e dorme menos de três horas por dia, então nenhum grão de chocolate o colocará em ordem. Você terá que aprender a lidar com a rotina diária e não aumentar o número de grãos de café ", enfatizou para a Sputnik .

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com