Aumenta taxa de mastectomias sem necessidade

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bandeira do Brasil
Outras notícias sobre os Estados Unidos
Localização dos Estados Unidos
Localização dos Estados Unidos

22 de maio de 2014

Estados Unidos — Um estudo americano publicado na revista JAMA Surgery concluiu que a maioria das mulheres que retiram os dois seios preventivamente não possuem indicações clínicas para esse procedimento. A cirurgia é indicada apenas para mulheres com alto risco genético de câncer de mama, mas 68,9% das mulheres que fazem a mastectomia preventiva estão fora dessa faixa de risco.

A mastectomia profilática contralateral é o procedimento cirúrgico para a mama não afetada pelo câncer e a dupla mastectomia é o procedimento para os casos de câncer já diagnosticado nas duas mamas. O estudo avaliou 1.447 mulheres americanas diagnosticadas com câncer de mama, com idade média de 59 anos. Do total, 7,9% optaram pela retirada das duas mamas. Dentro desse grupo, 68,9% não tinham histórico familiar de câncer nem tiveram um exame genético positivo para a presença da mutação que determina um maior risco.

A maioria das mulheres adota a cirurgia radical mesmo sem testes genéticos, devido ao medo da reincidência do câncer. O mesmo medo leva à retirada da mama não afetada, o que não se justifica clinicamente porque isso não reduz o risco de reincidência na mama afetada. O aumento da taxa de cirurgias nos anos recentes se deve também à perda de estética (simetria) quando se retira apenas uma mama. Outro fator apontado foi a decisão da atriz Angelina Jolie, que resolveu passar por uma mastectomia total profilática por apresentar os genes de alto risco (BRCA1 e BRCA2).

Entre os efeitos adversos da cirurgia na mama saudável, estão a infecção e a necrose. Existe também o risco de precisar retirar a prótese, caso haja complicações. É ainda possível que haja a perda de sensibilidade da mama, o que pode afetar a sexualidade. Segundo o artigo, “A taxa crescente da mastectomia profilática contralateral motivou alguns cirurgiões a questionar se realizar uma operação extensa que não é clinicamente indicada é justificável para reduzir o medo da reincidência da doença”. Entretanto, eles respeitam a decisão da paciente.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati