Trump decide alterar a lei sobre política ambiental

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

16 de julho de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O presidente Donald Trump anunciou que seu governo planeja revisar completamente leis ambientais que impactam, por exemplo, na criação de oleodutos e rodovias. Segundo críticos, isso permitirá que esses projetos sejam implementados sem levar em conta a opinião pública.

"Ninguém esperava essa possibilidade", disse Trump, falando na quarta-feira no aeroporto de Atlanta. Segundo o presidente, "terríveis atrasos" devido a padrões ambientais custam à economia dos EUA trilhões de dólares.

De acordo com o correspondente da agência Voz da América na Casa Branca, Trump anunciou uma reforma na Lei Nacional de Política Ambiental (NEPA), que foi adotada em 1969. Isso, segundo o presidente, reduzirá os prazos para a implementação de grandes projetos de vinte para dois ou menos anos.

"Você não dedicará mais toda a sua vida à implementação do projeto, que acabará por não ser aprovada", disse Trump sobre as mudanças. "Isso será decidido muito rapidamente — sim ou não, depois de estudar a questão".

Falando no aeroporto internacional, Trump expressou sua pessoal decepção com as "montanhas de burocracia" quando trabalhou no setor imobiliário. "Anos e anos de litígio" no processo de aprovação causaram sérios atrasos na implementação de seus projetos e de outros desenvolvedores, disse o presidente.

Pelo segundo dia consecutivo, Trump desviou-se do discurso para atacar Joe Biden, o candidato democrata nas próximas eleições presidenciais. "Nosso ex-vice-presidente se opõe a todas as nossas reformas de licenças", disse Trump.

As ações atuais do presidente republicano em relação à lei podem ser canceladas por uma maioria simples de votos no Congresso e na assinatura presidencial — os democratas, se vencerem as eleições de novembro, quase certamente farão exatamente isso.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com