Rei da Jordânia se reunirá com Biden

10 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O rei Abdullah da Jordânia deve se encontrar com o presidente dos EUA, Joe Biden, em Washington na sexta-feira, em meio a tensões com Israel sobre a administração dos locais sagrados islâmicos e cristãos de Jerusalém.

Embora a Jordânia seja a guardiã desses locais sob um tratado de paz de 1994 com o Estado judeu, o primeiro-ministro israelense Naftali Bennett anunciou recentemente a rejeição de qualquer envolvimento estrangeiro na administração do complexo da Mesquita de Al-Aqsa.

O ministro das Relações Exteriores da Jordânia, Ayman Safadi, que acompanha Abdullah em sua visita aos EUA, chamou a reunião com Biden de “importante para a discussão de questões regionais.” As conversas também cobrirão a recente onda de ataques terroristas em Israel, centrados em Jerusalém e seus locais sagrados, bem como na Cisjordânia.

A reunião pendente entre Abdullah e Biden ocorre cerca de seis semanas depois que o rei manteve conversas em Amã com o presidente israelense Isaac Herzog sobre questões regionais. A viagem de Herzog à Jordânia marcou a primeira visita oficial de um chefe de Estado israelense.

Falando à Sky News Arabia, Safadi ressaltou a posição da Jordânia de que “qualquer medida que viole o status quo em Jerusalém é legalmente nula”, descartando qualquer mudança na custódia contínua da Jordânia dos locais sagrados muçulmanos e cristãos. O jornalista e analista palestino Daoud Kuttab em Amã disse que qualquer mudança seria uma violação em três tratados.

“Uma violação do Acordo Status Quo, o acordo de 1757, que sobreviveu aos turcos, britânicos, jordanianos e aos primeiros anos da ocupação”, disse Kuttab. “Em segundo lugar, é uma violação do entendimento de [ex-primeiro-ministro israelense Benjamin] Netanyahu, rei Abdullah e [ex-secretário de Estado dos EUA] John Kerry em 2014, que afirmou que Al-Aqsa é para os muçulmanos orarem e para todos os outros. E isso contradiz o ministro das Relações Exteriores de Israel, que disse que Israel respeita o status quo na Mesquita de Al-Aqsa.”

O ministro das Relações Exteriores Safadi também pediu a Israel que mantenha a calma em torno desses lugares, particularmente o complexo da Mesquita de Al-Aqsa.

Fontes