Rússia solicita à OTAN que esclareça as mortes de civis por bombardeios no conflito da Líbia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

20 de dezembro de 2011

Nova Iorque, Estados UnidosVitaly Churkin, representante da Rússia na Organização das Nações Unidas (ONU) disse na segunda-feira (19) que se leve uma rigorosa investigação sobre a morte indiscriminada de civis efeituados na campanha intervenção da OTAN (ou NATO) na Líbia, denunciando ademais a parcialização de relatórios da organização militar atlântica:

Infelizmente, [a OTAN ou NATO] adotou o estilo de pura propaganda, alegando zero vítimas civis na Líbia, o que é completamente inverosímil em primeiro lugar e em segundo lugar não é verdade.

Enquanto Churkin planejará nesta quinta-feira a questão da Líbia no Conselho de Segurança, o porta-voz da OTAN ou NATO em Bruxelas (capital da Bélgica), Oana Lungescu, novamente defendeu a ação alegando novamente que o papel da entidade foi "falicitada para os rebeldes na queda" do regime da Líbia, também afirma que estão dispostos a "colaborar de forma estreita".

O representante russo também não deixou isento ao Ban Ki-moon (Secretário Geral da ONU) das críticas, nas quais expressa que a "protecção a civis" por meio do bloqueio aéreo estabelecido na Resolução de 17 de Março passado, se converteu em uma fachada humanitária para fazer derrocar ao outrora regime líbio.

Espero que a ONU seja mais cautelosa en suas opiniões sobre assuntos de importância que são à competência do Conselho.

Os representantes ocidentais (Estados Unidos, Reino Unido e França) do Conselho de Segurança se absteveram de responder aos formulamentos do seu similar euro-ásiático.

Notícias Relacionadas[editar]

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati