Prêmio Nobel da Paz é concedido ao presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

7 de outubro de 2016

O prémio Nobel da Paz foi concedido ao presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, pelos seus esforços para pôr fim à guerra civil no país, que durou mais de 50 anos e matou pelo menos 220 mil colombianos. O prêmio foi anunciado hoje (7) pelo Comitê Nobel norueguês.

Juan Manuel Santos Calderón nasceu em Bogotá, a capital, no dia 10 de agosto de 1951. Advogado e economista, ele ocupa a presidência da Colômbia desde 2010. É membro do partido De la U (Partido Social de Unidade Nacional). Antes de ser eleito, foi ministro da Defesa no governo de Álvaro Uribe.

Ao anunciar o prêmio, o Comitê do Nobel destacou os esforços do presidente Santos para chegar a um acordo e colocar fim a um conflito de mais de meio século no país. "A guerra civil custou a vida de 220 mil colombianos e provocou quase seis milhões de desabrigados. O Prêmio Nobel deve ser visto também como um tributo ao povo da Colômbia, a todas as partes que contribuíram para este processo de paz e aos representantes das vítimas", disse o Comitê do Prêmio Nobel.

Reacções

Uma das reféns mais famosas das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), a política e ativista franco-colombiana Ingrid Betancourt, disse hoje (7) em entrevista à imprensa local, que as FARC "também mereciam o Nobel da Paz" e que está "otimista com o futuro". Ela disse ainda que o presidente Juan Manoel Santos mereceu o Prêmio Nobel da Paz, anunciado nesta sexta-feira, por "seus esforços para chegar a um acordo" com a guerrilha.

"A Justiça foi feita. Santos é um homem que merecia este prêmio. Sobre as FARC, é difícil eu falar, mas acredito que também [merecem]", comentou. "A Colômbia passa por um momento de esperança, de reflexão e de alegria", disse a ex-refém, sequestrada pelo grupo durante as campanhas presidenciais de 2002 e libertada somente em 2008.

Histórico

Pelo acordo de paz assinado no final de agosto, as Farc tinham se comprometido a abandonar as armas e as técnicas de guerra, além de sinalizarem que se tornariam um partido político. No entanto, a anistia política e a forma de punição a ex-guerrilheiros por crimes antigos, determinadas nas negociações, descontentaram parte da população colombiana, que rejeitou o acordo em um referendo realizado no último domingo (2). O resultado do referendo foi inesperado, já que Santos acreditava que a maioria da população apoiaria o processo.

Notícias Relacionadas

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati