Colombianos rejeitam acordo de paz entre governo da Colômbia e as FARC

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

3 de outubro de 2016

Em uma votação apertada, a população da Colômbia rejeitou o acordo de paz assinado entre o governo da Colômbia e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC). No plebiscito feito ontem (2), com 99,93% das urnas apuradas, 50,21% da população respondeu não à pergunta: “Você apoia o acordo final para o fim do conflito e a construção de uma paz estável e duradoura?”. O sim somava 49,77% dos votos.

O plebiscito teve 12.803.986 de votos válidos e 13.061.087 votos totais. O número de eleitores que se cadastraram para votar foi 34.899.945 e 37,42% compareceram às urnas.

O presidente da Colômbia, Juan Manoel Santos, fez um pronunciamento à nação após o resultado do plebiscito e disse que amanhã (hoje, dia 3) irá convocar todas as forças políticas, em particular as que se manifestaram pelo não, para escutá-las, abrir espaço de diálogo e determinar o caminho a seguir. Santos disse ainda que representantes do governo vão procurar os negociadores das Farc para dar informações sobre o resultado desse diálogo político

“Vamos decidir, entre todos, qual o caminho que devemos tomar para que essa paz que todos queremos seja possível e saia mais fortalecida dessa situação, Não me renderei, seguirei buscando a paz até o último minuto do meu mandato porque esse é o melhor caminho para deixar um país melhor para nossos filhos”, disse.

Santos disse que a vitória no “não” ocorreu por uma margem apertada e que a decisão democrática tomada no plebiscito não vai abalar a ordem pública. “Escuto os que votaram não e os que votaram sim”.

Depois do pronunciamento de Santos, as FARC divulgaram um comunicado, lamentando “o poder destrutivo daqueles que semearam o ódio e o rancor” na Colômbia, convencendo a população a rejeitar os acordos de paz. Mas os 7 mil guerrilheiros do grupo também se comprometeram a manter o cessar fogo e usar “apenas a palavra como arma no futuro”.

Quatro anos de negociação

O acordo de paz foi assinado no dia 26 de setembro como forma de colocar fim a uma guerra de mais de 50 anos e é fruto de quatro anos de negociações entre o presidente da Colômbia, Santos, e o líder das FARC, Rodrigo Londoño Echeverri, conhecido como Timochenko.

Os termos do acordo de paz preveem que os 7 mil guerrilheiros das Farc que restam entregariam suas armas em um prazo de seis meses e seriam incorporados à vida civil, com direito a formar seu próprio partido político e disputar eleições.

Outro item é a previsão de uma anistia, mas não para aqueles que cometeram crimes contra a humanidade. O documento ainda traz a decisão de fazer uma reforma agrária e por fim ao cultivo de drogas ilegais, que ajudaram a sustentar as FARC.

O ex-presidente Andrés Pastrana (que presidiu o país entre 1998 a 2002, quando tentou negociar com as FARC a partir de 1999 e cujo acordo fracassou em 2002) foi um dos partidários do “não”, junto com o ex-presidente e sucessor Alvaro Uribe (presidente do país entre 2002 a 2010). Uribe, por sua vez, defendia que o atual presidente adotasse o mesmo método que ele quando esteve na Presidência da Colômbia: atacar militarmente os guerrilheiros. Sobre o acordo assinado por Santos, ambos argumentam que o atual presidente colombiano cedeu demais para as FARC sem necessidade, pois a guerrilha que, no seu auge, tinha 20 mil pessoas, foi reduzida a um terco.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati