Níger: uma manifestação anti-Charlie Hebdo se transforma em motim

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A contestação da caricatura de Maomé publicadas no semanário francês Charlie Hebdo ocorreu sábado na capital do Níger.

Localização de Niamey.

17 de janeiro de 2015

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Em manifestações em Zinder e em Niamey, no Níger, o motim muito violento fizeram numerosas vítimas. Dezenas de feridos e algumas mortes foram anunciadas pelo Hassoumi Massaoudou, o ministro do Interior, na Rádio Nacional. Os manifestantes muçulmanos fizeram ataques contra os cristãos na cidade, inclusive incendiando sete igrejas. Alguns manifestantes gritavam «Abaixo à França», «Abaixo ao Charlie Hebdo» ou ainda «Allah Akbar» (الله أكبر : Deus é grande).

Muitos edifícios comerciais pertencentes aos não-muçulmanos ou empresas francesas também foram atacados por manifestantes.

O ministro declarou que «durante a manifestação, enquanto isso, especialmente ao atacar a Igreja Católica, eles usavam o padrão de Boko Haram». No entanto, os jornalistas que estavam em Zinder durante as manifestações afirmaram que não viram a bandeira Boko Haram, que indicaram em contra vendo uma bandeira preta com «Allah Akbar» (Deus é Grande) escrita em branco, que se assemelha fortemente o emblema dos islamitas nigerianos.

A situação se acalmou sábado à noite.

Hollande defende os valores da França

François Hollande.

François Hollande defendeu os valores da França, durante uma conferência de imprensa no sábado, dizendo que a liberdade de expressão é um princípio importante. «Vemos que há tensões, tensões externas, onde as pessoas não entendem o que o compromisso com a liberdade de expressão», disse ele em Tulle, uma cidade de sudoeste da França.

«Mas também, nesses países, com o apoio deles na luta contra o terrorismo. E assim, eu quero que eles sempre expressar a minha solidariedade, mas, ao mesmo tempo, a França, que tem princípios, ela valoriza e estes valores, incluindo a liberdade de expressão»

Notícia Relacionada

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit