Saltar para o conteúdo

Níger tem piora em todos os setores após golpe militar

Fonte: Wikinotícias

6 de junho de 2024

Email Facebook X WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Mohamed Bazoum, presidente nigerino de 2021 até o golpe de julho de 2023

O golpe militar no Níger em julho de 2023 impactou negativamente todos os setores da sociedade, segundo o Centro de Estudos Africanos com sede em Washington. Uma avaliação de uma série destes resultados nas áreas de segurança e economia, por exemplo, revela uma mudança acentuada na trajetória do Níger desde o golpe. Apesar de ser um dos países mais pobres do mundo, o Níger havia realizado progressos perceptíveis na década anterior ao recente golpe sob comando dos presidentes democraticamente eleitos Mahamadou Issoufou e Mohamed Bazoum. Desde então, muitos desses ganhos foram perdidos e com o aumento das restrições aos meios de comunicação social e ao espaço de informação sob a Junta Militar que tomou o poder, é difícil determinar a extensão total desta deterioração. Esta inversão de trajetória terá ramificações mais amplas para a região, uma vez que este país historicamente pacífico e sem litoral, com 25 milhões de habitantes, partilha fronteiras com sete vizinhos.

Comparativos

Pré-golpe Pós -golpe
  • As taxas de mortalidade associadas a ataques de grupos militantes islâmicos no Níger diminuíram 53% em 2023 em relação a 2022, antes do golpe.
  • As despesas militares aumentaram 64% sob Bazoum – para 309 milhões de dólares em 2023.
  • Os programas de desarmamento e desradicalização encorajavam as deserções de grupos extremistas violentos no Sahel.
  • No Sudeste, onde o Níger tem enfrentado ameaças do Boko Haram, não houve acontecimentos violentos entre 2021 e 2023 e as comunidades deslocadas estavam a regressar às suas aldeias.
  • Na década sob Issoufou e Bazoum, o rendimento per capita no Níger aumentou 26%.
  • Banco Mundial projectou um crescimento económico de 7% em 2023 e 12,5% em 2024.
  • Apesar dos picos globais nos preços dos alimentos, o Níger conseguiu manter a sua taxa de inflação em cerca de 4%, a  mais baixa da União Económica e Monetária da África Ocidental.
  • 2022 foi o primeiro ano do Níger sem um único dia letivo perdido devido a greves de professores ou alunos.
  • Prevê-se que as mortes ligadas a grupos extremistas cheguem a mais de 1.600 em 2024 – um aumento de 60% em relação a 2023.
  • Pelo menos oito ataques de grupos militantes islâmicos custaram a vida de uma dúzia ou mais de soldados desde o golpe. Este é um aumento acentuado no nível de violência contra as forças armadas, não visto desde 2021.
  • Com os militantes islâmicos a ganharem maior controle sobre as principais estradas para Niamey, a capital está cada vez mais isolada.
  • Os esforços de desarmamento e desradicalização estagnaram desde o golpe militar.
  • A junta nigeriana já falhou quatro pagamentos de dívidas e agora deixou de pagar 519 milhões de dólares em dívidas.
  • Prevê-se que o crescimento económico projectado pelo Banco Mundial em 2024 diminua 45% em relação às estimativas anteriores.
  • Os preços dos cereais, como o painço, o sorgo, o milho e o arroz, aumentaram mais de 12% desde o mesmo período de 2023, com o arroz a registar a inflação mais elevada, de 35%.


Notícia Relacionada

[editar | editar código-fonte]
  • ((en)) Niger Coup Reversing Hard-Earned Gains — Africa Center, 23 de maio de 2024