Maradona é suspenso por ofensas pela FIFA

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Diego Maradona em 2006.

15 de novembro de 2009

Em reunião realizada na tarde em Zurique, na Suíça, na sede da FIFA, pela Comissão Disciplinar, presidida por Marcel Mathier, anunciou a suspensão do ex-jogador e atual seleccionador/técnico de futebol da Argentina, Diego Maradona por dois meses do comando argentino por conta das declarações após vencer a Seleção Uruguaia de Futebol. Maradona não poderá ser treinador até ao dia 15 de janeiro de 2010.

O seleccionador/técnico argentino, na época, reagiu com indignação após garantir classificação, a ser questionado pela imprensa argentina sobre os resultados ruíns dos jogos anteriores, acusou os jornalistas argentinos de não terem acreditado nele e mandou a seguinte resposta:

"Que a chupem e que sigam chupando (...) Sigam mamando."

A declaração provoucou uma imediata reação dos jornalistas, da opinião pública e até de políticos argentinos. No site de vídeos mais popular no mundo, o YouTube, há milhares de vídeos da declaração do Maradona.

Maradona, que foi chamado a prestar declarações na sede da FIFA, tentou se explicar durante duas horas e meia, sem sucesso. Além da suspensão, durante os quais "não poderá exercer qualquer atividade relacionada com o futebol", foi multado em € 16.500.

Para a Comissão Disciplinar, Maradona infringiu o artigo 57 do Código Disciplinar da FIFA. Porém, a Comissão Disciplinar aceitou como desculpas as declarações do Maradona ter se mostrado arrependido das declarações.

Mesmo assim, o órgão avisou Maradona que caso repita incidente similar ou desrespeite a suspensão de dois meses, a FIFA irá impor sanções mais graves.

Maradona chegou atrasado à audiência: era 14 horas, mas só chegou 15 horas. Falou durante 2 horas e meia e regressou a Espanha logo após o fim da audiência, para se juntar novamente à comitiva da seleção argentina.

Notícias Relacionadas

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati