MPLA vai aprovar Código de Conduta para militantes nas redes sociais

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Navegação Internet
Outras notícias sobre Internet

Agência VOA

Há quem espera para ver

6 de novembro de 2017

O MPLA vai brevemente apreciar e aprovar um código de conduta para os seus militantes nas redes sociais, com vista a disciplinar a actuação dos mesmos e suas organizações de base.

O secretário-geral do MPLA, António Paulo Cassoma, justificou a medida como uma forma de maximizar a energia e a vontade dos militantes cibernautas em acções em prol do engrandecimento do MPLA e da unidade de acção no seio do seu partido.

Com este Código de Conduta, garante Cassoma, não se pretende coartar a criatividade ou liberdade de expressão dos militantes, mas levando-os a “abster-se de contribuir em campanhas, por vezes veladas, de desacreditação do Executivo, dos dirigentes e do partido, fazendo o jogo dos adversários e detratores políticos”.

Em reacção, Aniceto Cunha, sociólogo e também militante do MPLA diz que prefere esperar para ver se o conteúdo vai ser bom ou mau.

Ele entende ser necessário que os militantes do MPLA não passem informações importantes para fora do partido.

Existem militantes que têm acesso a informações, que têm estado a veicular até documentos oficiais, e do ponto de vista politico-ideológico não é muito correcto, mas em relação ao conteúdo eu prefiro ver para dizer se é bom ou mau.

Aniceto Cunha

Opinião contrária tem Agostinho Sikato, politólogo e presidente do Centro de Debate e Estudos Académicos, sustenta que para quem é uma medida abusiva e desnecessária.

Será que o partido compra saldo para estes militantes? Para mim é uma medida abusiva e desnecessária porque os cidadãos não estão no Facebook, na condição de militantes e os que são militantes sabem o que devem escrever e o que não devem.

Agostinho Sikato

Paulo Cassoma reiterou que nas plataformas electrónicas, a informação é difundida e transmitida instantaneamente através de mensagens sem a mediação das instituições, dos agentes públicos e dos governos e, na maior parte dos casos, estas informações não estão comprometidas com a verdade, ética e com as fontes credíveis de informação.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati