MPF entra com ação contra a Abril por venda de TV

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Histórias relatadas
Televisão

Mais informações sobre Televisão:

21 de dezembro de 2015

São Paulo — O Ministério Público Federal de São Paulo entrou na última sexta-feira (18) com uma ação civil pública contra o Grupo Abril pela venda das concessões de televisão da Abril Radiodifusão S.A. para a Spring Televisão S.A., empresa do Grupo Spring de Comunicação. A venda foi considerada ilegal pelo ministério, segundo nota divulgada na sexta.

A Abril usou as concessões para transmitir a programação da MTV Brasil por mais de 20 anos, quando decidiu devolveu a licença que tinha para usar a marca da norte-americana Viacom no final de 2013. Desde então, a empresa transmite a programação da Ideal TV, canal que a empresa tinha criado anteriormente entre 2007 e 2009, mas que saiu do ar pela recusa das operadoras de televisão por assinatura de incluí-lo em seus pacotes. Atualmente, a Igreja Mundial do Poder de Deus, liderada por Valdemiro Santiago, aluga cerca de 22 horas da programação da emissora.

A venda aconteceu em meados de 2014, e a transferência das concessões para a Spring aconteceu em outubro deste ano. Segundo o ministério, as empresas desviaram a finalidade da concessão, e que a transferência da mesma para terceiros é proibido por lei, já que para se obter uma licença de radiodifusão é necessário passar por licitação pública.

Em resposta ao ministério, a Abril respondeu que acreditava não precisar de licitação prévia, com base na lei nº 4.117 de 1962 e no decreto nº 52.795 de 1963. O ministério, após a explicação da empresa, disse que para essa transferência possa ocorrer, seria necessário ter comunicado primeiramente o Ministério das Comunicações antes de efetuar a venda, o que não ocorreu no caso, diz o MPF.

Notícias Relacionadas

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati