MPF entra com ação contra a Abril por venda de TV

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Histórias relatadas
Televisão

Mais informações sobre Televisão:

21 de dezembro de 2015

São Paulo — O Ministério Público Federal de São Paulo entrou na última sexta-feira (18) com uma ação civil pública contra o Grupo Abril pela venda das concessões de televisão da Abril Radiodifusão S.A. para a Spring Televisão S.A., empresa do Grupo Spring de Comunicação. A venda foi considerada ilegal pelo ministério, segundo nota divulgada na sexta.

A Abril usou as concessões para transmitir a programação da MTV Brasil por mais de 20 anos, quando decidiu devolveu a licença que tinha para usar a marca da norte-americana Viacom no final de 2013. Desde então, a empresa transmite a programação da Ideal TV, canal que a empresa tinha criado anteriormente entre 2007 e 2009, mas que saiu do ar pela recusa das operadoras de televisão por assinatura de incluí-lo em seus pacotes. Atualmente, a Igreja Mundial do Poder de Deus, liderada por Valdemiro Santiago, aluga cerca de 22 horas da programação da emissora.

A venda aconteceu em meados de 2014, e a transferência das concessões para a Spring aconteceu em outubro deste ano. Segundo o ministério, as empresas desviaram a finalidade da concessão, e que a transferência da mesma para terceiros é proibido por lei, já que para se obter uma licença de radiodifusão é necessário passar por licitação pública.

Em resposta ao ministério, a Abril respondeu que acreditava não precisar de licitação prévia, com base na lei nº 4.117 de 1962 e no decreto nº 52.795 de 1963. O ministério, após a explicação da empresa, disse que para essa transferência possa ocorrer, seria necessário ter comunicado primeiramente o Ministério das Comunicações antes de efetuar a venda, o que não ocorreu no caso, diz o MPF.

Notícias Relacionadas

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati