Líderes mundiais prometem US$ 4 bilhões para educação pública afetada pela pandemia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Malala Yousafzai (2014)

30 de julho de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Quinta-feira marca o segundo e último dia do Global Education Summit em Londres, organizado pelo Quênia e pelo Reino Unido. Governos e corporações internacionais se comprometeram a doar US $ 4 bilhões para a Parceria Global pela Educação, que fornece acesso justo à educação pública em 90 países e territórios que representam 80% das crianças fora da escola.

A cúpula enfatizou a importância do acesso equitativo à educação em meio a advertências de que o COVID-19 exacerbou os programas de educação pública que já tinham poucos recursos em países economicamente menos desenvolvidos. Especialistas alertaram a organização que era improvável que aqueles que foram forçados a deixar as escolas devido à pandemia retornassem.

Julia Gillard, ex-primeira-ministra australiana e presidente da parceria, observou que a pandemia afetou o acesso à educação em todas as nações, mas os países mais pobres, onde as famílias podem não ter conexão com a Internet ou eletricidade, foram devastados.

Gillard disse que esta promessa coloca a parceria no caminho certo para cumprir a meta de arrecadar US $ 5 bilhões em cinco anos.

O embaixador Raychelle Omamo, secretário de Relações Exteriores do Quênia, alertou sobre o impacto devastador da pandemia na educação global, dizendo que "a educação é o caminho, o caminho a seguir".

Malala Yousafzai, uma ganhadora do Prêmio Nobel da Paz do Paquistão e ativista pela educação feminina, falou com os líderes da cúpula e enfatizou a importância da educação acessível para meninas que são frequentemente discriminadas. Ela alertou que 130 milhões de meninas não puderam frequentar a escola por causa da pandemia e disse que "vale a pena lutar pelo futuro".

Discursando na conferência com o presidente queniano Uhuru Kenyatta, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson anunciou o compromisso de seu governo com a educação de meninas e sua meta de matricular mais 40 milhões de meninas na escola até 2026.

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit