Governo estuda mais aplicações do Revalida

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Portal Saúde
Outras notícias sobre saúde


Agência Brasil

20 de novembro de 2018

O governo quer mais aplicações do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeira (Revalida), informou hoje (20) o ministro da Educação, Rossieli Soares. Segundo o ministro, objetivo é que outras instituições, além do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), possam aplicar o exame.

“Tivemos agora a etapa final do Revalida de fevereiro de 2017. O resultado sai em fevereiro de 2019. É um processo que está demorando. Temos milhares de pessoas que estão aguardando”, disse Rossieli Soares. Ele informou que a questão foi tratada ontem (19), em reunião com o ministro da Saúde, Gilberto Occhi, e que ainda não há definição sobre o assunto.

De acordo com o ministro da Educação, a qualidade deverá ser mantida. “Não dá para diminuir a qualidade. A qualidade tem que ser sempre prioridade, mas estamos falando da vida das pessoas que querem ter direito de tentar. Estamos buscando condições para ofertar [o Revalida] com maior frequência.”

Exame

O Revalida reconhece os diplomas de médicos que se formaram no exterior e querem trabalhar no Brasil. O exame é feito tanto por estrangeiros formados em medicina fora do Brasil, quanto por brasileiros que se graduaram em outro país e querem exercer a profissão em sua terra natal.

Antes deste exame, a revalidação dos diplomas de médicos formados no exterior era feita por instituições de ensino superior. A unificação, de acordo com descrição na página do exame na internet, tornou a revalidação mais acessível e permitiu atender ao grande fluxo de graduados em escolas médicas no exterior.

A exigência do Revalida foi um dos pontos anunciados pelo presidente eleito Jair Bolsonaro como requisito para a participação de profissionais cubanos no programa Mais Médicos. Alegando que o governo eleito questiona a preparação de seus profissionais, ao exigir que eles se submetam à revalidação do diploma para serem contratados, o governo de Cuba decidiu deixar o programa.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati