Ex-enfermeiro é condenado na Alemanha pelo assassinato de 85 pacientes

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

6 de junho de 2019

Um ex-enfermeiro chamado de Niels Högel foi condenado à prisão perpétua na Alemanha pelo assassinato de 85 pacientes. Ele já reconheceu 55 mortes de 1999-2005. O método de Högel era dar aos pacientes tratados com doses cardíacas altas e letais. Já em 2015, ele recebeu uma sentença de prisão perpétua por dois assassinatos e duas tentativas de assassinato. Desta vez, ele foi acusado de matar deliberadamente 100 pessoas em Delmenhorst e Oldenburg. A polícia estima que o número de vítimas de Högel pode ser muito maior, mas como resultado das cremações, evidências de outros assassinatos não puderam mais ser obtidas. Hoje, Högel, de 42 anos, pediu desculpas publicamente às vítimas e descreveu suas ações como macabras.

De acordo com um antigo colega, Högeli foi apontado como um “Rambo reanimador” em seu local de trabalho, já que ele abandonava outros pacientes, enquanto corria para os que precisavam de reanimação. Segundo os promotores, as medidas tomadas pelas vítimas de Högel e o entusiasmo pela reanimação aumentou seu desejo de influenciar seus colegas.

A Alemanha questionou por que as taxas excepcionais de mortalidade não atraíram mais atenção nos dois hospitais do norte da Alemanha, onde Högel trabalhava na época dos assassinatos. Por exemplo, no hospital de Oldenburg durante os turnos de Högel, mais de duas vezes mais regenerações e mortes de pacientes foram registradas como normais. Pela primeira vez, Högel foi pego em tratamento ilegal, tratando o paciente sem permissão em 2005 em Delmenhorst, o que resultou em uma sentença de sete anos de prisão por tentativa de homicídio em 2008. Após uma investigação recente sobre o último veredicto, as atividades de Högel vieram depois que ele revelou a um psiquiatra durante o julgamento de 2015, de até 30 pessoas.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati