Dois trens chocam na Argentina, provocando 3 mortes e 315 feridos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Trem Serie 593 da Renfe em Retiro (Buenos Aires, Argentina), prestando serviços na empresa argentina Trens de Buenos Aires (TBA)
Foto: Galio.

18 junho de 2013

Trem em Buenos Aires
Foto: WillaMissionary.

Na quinta-feira, 13 de Junho passado, chocaram dois trens do Sarmiento na estação Castelar. O resultado foi três mortes, 315 feridos, maquinistas detidos e muitas dúvidas.

O acidente ocorreu por volta das sete horas da manhã da quinta-feira 13 de junho na estação de Castelar, à altura do cruzamento Zapiola. Dois trens que circulavam sentido ao Moreno colidiram. Não se sabe os motivos, as hipóteses são muitas e o temor volta na gente que todos os dias, utilizam o meio de transporte ferroviário para ir a trabalhar, por geral, na província de Buenos Aires para Capital. O fato trouxe à memória de todos a tragedia de Once, como é reconhecido quando no último mês de fevereiro, um trem se chocou contra a dita estação, deixando 70 mortos, feridos e hipótese, ainda sem descartar.

Um dos trens se encontrava parado sobre as vias esperando o sinal para chegar sentido a Moreno, quando outro trem, no mesmo sentido, o bateu por trás, havendo passado três sinais de advertência e não respeitar-las. Aparentemente, pelas primeiras perícias do GPS, em vez de diminuir sua velocidade, aumentava, chegando aos 75 km/h. Esta formação atingiu de trás à que se encontrava parada e elevou 2 metros o último vagão. O saldo foram três vítimas fatais, dois homens e uma mulher. Muitos acidentados permanecem em terapia intensivos. Um bebê de dois anos precisou sofrer a amputação de uma das pernas. Os feridos foram transferidos a vários hospitais da região, foram utilizados vinte ambulâncias do SAME SAMU e um helicóptero de urgências. A maioria dos passageiros eram entre 25 e 40 anos, considerando-se que eles eram pessoas que se moviam a seus empregos, muitos deles, às sete horas da manhã.

A formação que se encontrava detida era a 3725 chapa 19, como é chamado. O trem que impactou era o 3727 chapa 1.

Os usuários cotidianos[editar]

Os delegados da linha Sarmiento garantem que o trem que bateu teve problemas em seu sistema de travagem há meses. Desde o Governo Nacional e a empresa concessionária asseguram que a formação funcionava com normalidade. Por este motivo, ao meio-dia o Ministro de Transportes da Nação Argentina, Florencio Randazzo, deu uma conferência de imprensa na Casa Rosada, onde indicou o saldo de vítimas e feridos, e os lugares onde estes se encontravam, tratando de levar tranquilidade a familiares que desesperados, buscavam a seus entes queridos. Além disso, observou que o trem havia saído de reparos há pouco tempo. Acrescentou: "Não sabemos se foi um acidente ou um sinistro (incidente)", frase que trouxe enormes repercussões, já que nunca faltam que em momentos trágicos, saem a falar sobre de estratégias políticas.

Randazo informou que antes de realizar seu trabalho aos maquinistas, fazem um teste do bafômetro, aos quais haviam dado negativos e que desde a concessão do Sarmiento acusam o motorman (motorneiro), dizendo que cruzou um primeiro sinal de alerta que determina que deve baixar a velocidade e os seguintes três sinais de perigo, o que indicavam por regulamento que diretamente o trem deve ser interrompido, situação que não aconteceu.

Enquanto isso, diretamente o grêmio La Fraternidad, o secretário de imprensa assegurou que o maquinista que conduzia a formação que dirigia com destino a Moreno disse que o trem "não freiou", lhe "falharam nos freios", o motorman (motorneiro) "estava em um estado de choque, tentou frenar e não andando nos freios".

Julgamento dos envolvidos[editar]

Após o acidente, os maquinistas foram presos, mas no dia 16 o maquinistas da chapa 1, Daniel López, foi liberado por falta de provas, embora esteja acusado no caso. A noite anterior tinha sido liberado motorman (motorneiro) do trem que estava detido. A liberação de López, segundo o juiz, se deveu a que é uma pessoa sem antecedentes, sem perigo de fuga ou dificultar o desenvolvimento da investigação. Desde o sindicato dos ferroviários afirman que o condutor da chapa 1 é uma pessoa muito precavida, com 31 anos de serviço em sua declaração. Ele afirmou que "os freios não responderam", mas não se lembra se normalizou o não o botão de emergência.

Por outro lado[editar]

O titular da Comissão Nacional de Regulação do Transporte, Ariel Franetovich, apresentou ante a Justiça uma documentação onde argumenta-se que os dados recolhidos provaria o normal funcionamento dos freios do trem, acrescentou que não acredita que havia uma falha do material.

No Governo nacional, foi criada uma comissão que tem como objetivo investigar e atingir o esclarecimento, determinando as causas e circunstâncias do choque dos trens no passado quinta-feira 13 de junho. Se encontra detalhada na Resolução 540/2013 assinado pelo ministro do Interior e Transporte,, Florencio Randazzo e na Sexta-feira 14, tratando-se de uma comissão independente de qualquer investigação criminal.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati