Covid-19: Rússia chega a 100 mil mortes por Sars-Cov-2

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

3 de abril de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

A Rússia chegou hoje a 100 mil óbitos por covid-19. Eram, precisamente, 99.633 mortes ontem, mas com novas 384 fatalidades nas últimas 24 horas, esta cifra agora chega a 100.017.

O total de casos no país alcança 4.572.077, sendo que destes 4.195.869 já estão curados. Entre as pessoas com covid ativa, 2.300 estão internadas em estado grave em hospitais de todo país, reporta o Worldometer na sua atualização feita hoje às 11h26min GMT.

Segundo a agência de notícias Tass, das últimas mortes, 36 mortes aconteceram em São Petersburgo, 24 na região de Rostov, 16 na região de Leningrado, 12 na região de Krasnodar, enquanto as regiões de Moscou e Tula reportaram 11 fatalidades cada.

Subnotificações?

Em dezembro passado, diversos veículos de imprensa, inclusive a Euronews e website G1 da rede Globo, reportaram que uma autoridade russa havia dito que os casos de covid, incluindo as fatalidades, eram 3 vezes maiores do que os divulgados oficialmente.

A Rússia tem sido constantemente acusada de mostrar dados pouco críveis durante a pandemia de Covid-19. Em abril de 2020, mais da metade dos russos sequer acreditava nas informações oficiais divulgadas enquanto 1/3 pensava que as autoridades subestimavam o número real de casos e a complexidade da situação.

Em maio seguinte, Alexander Gintsburg, chefe do Instituto de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia, explicou que o baixo número de mortes era porque os russos tinham mais “imunidade de rebanho”, dado que não tinha qualquer comprovação científica. À época, a CNN reportou que ao menos 60% das mortes não tinham sido notificadas.

Outro problema envolvendo a credibilidade do país aconteceu em agosto passado com o registro da vacina Sputnik V, muito antes dos testes da Fase III terem sido terminados. O governo russo foi novamente questionado e criticado, inclusive por cientistas, mas o registro foi mantido para que a vacina se tornasse conhecida como a primeira a ser registrada no mundo.

Notícias Relacionadas[editar]

Fontes[editar]

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit