Condenado na Itália, Robinho pode ir para a prisão no Brasil

Fonte: Wikinotícias

27 de fevereiro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Na lista da Interpol desde fevereiro do ano passado após ser condenado na Itália por estupro, o ex-jogador de futebol Robinho pode acabar cumprindo pena no Brasil. Apesar do país não extraditar seus cidadãos - o Ministério Público de Milão, Itália, encaminhou ao Ministério da Justiça do Brasil o pedido de extradição e à Interpol o mandado de prisão internacional de Robinho no ano passado - o MPF hoje anunciou que "opina pela citação do ex-jogador Robinho no processo que trata do cumprimento da pena por estupro no Brasil. Para o MPF (Ministério Público Federal), não há impedimento legal para a transferência da execução da pena".

Robinho tem uma pena de nove anos de prisão a cumprir e se refugiou no Brasil, justamente, amparado pela lei de que cidadãos brasileiros não podem se extraditados. O caso

O crime aconteceu em 2013, quando uma mulher de origem albanesa denunciou ter sido vítima de estupro coletivo por parte de um grupo de homens, incluindo o jogador. Em 2020, o Globo Esporte obteve uma transcrição do processo onde Robinho dizia que “a mulher estava completamente bêbada”, apesar de, durante o processo judicial, sempre ter dito que a relação havia sido consensual.

As falas de Robinho estão transcritas no processo e foram obtidas após a polícia italiana grampear seu telefone, e, segundo o Globo Esporte, as “interceptações telefônicas” foram decisivas para a primeira condenação em 2017.

No depoimento de 2017, a mulher disse que conhecia Robinho e alguns de seus amigos, mas que em determinado momento, após as amigas terem ido embora, ela ficou sozinha com eles, que passaram a lhe oferecer bebida até “deixá-la inconsciente e incapaz de se opor.”

Apenas Robinho e Falco foram identificados e julgados.

A cronologia do caso

  • Fevereiro de 2013: Robinho e outros 5 homens mantém "múltiplas e consecutivas relações sexuais" em "atos de violência sexual pesados" com a vítima;
  • Novembro de 2017: Robinho e Falco são condenados em 1ª instância, mas apelam da decisão;
  • Dezembro de 2020: Robinho e Falco são condenados em 2ª instância, mas recorrem da decisão novamente;
  • Dezembro de 2020: Robinho volta para o Brasil;
  • Janeiro de 2022: Robinho e Falco são condenados em 3ª e última instância;
  • Fevereiro de 2022: Robinho e Falco entram na lista de procurados da Interpol;
  • Fevereiro de 2023: Justiça italiana pede que Robinho cumpra a pena de prisão no Brasil.

Notícias Relacionadas

Fontes