China enviou primeira missão a Marte

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

23 de julho de 2020

Nesta quinta-feira, 23 de julho, uma sonda não tripulada partiu em direção a Marte, marcando o início das expedições espaciais da China. Espera-se que Tianwen-1 se aproxime do planeta em fevereiro de 2021.

Às 12:41, horário local, a sonda decolou do Centro de Lançamento Espacial de Wenchang, na ilha de Hainan, sob o júbilo de centenas de pessoas reunidas nas praias ao longo da costa para testemunhar este evento.

"Após cerca de 2.167 segundos (cerca de 36 minutos), a sonda entrou com sucesso na órbita especificada, que marcou o início do primeiro estágio da exploração chinesa de outros planetas", relata a agência TASS.

“Após cerca de sete meses de voo, a sonda se aproximará de Marte, onde entrará primeiro em uma órbita elíptica alta com um período de cerca de 10 dias. Depois disso, Tianwen-1 fará manobras para ir para a órbita polar de Marte e depois mudará para uma nova órbita intermediária, na qual fará uma volta completa ao redor do planeta em dois dias marcianos (24 horas e 39 minutos)".

Quando atingir a órbita marciana, um módulo de pouso será separado da sonda. Espera-se que esta operação leve cerca de 8 minutos. O módulo de pouso lançará um veículo espacial movido a energia solar que explorará a superfície do planeta por pelo menos três meses.

"Entre os objetivos científicos da missão está o estudo das características morfológicas e geológicas da superfície, a localização de gelo, a ionosfera e a natureza do ambiente e estrutura interna", afirmou a Administração Espacial da China em comunicado.

A China estava preparando sua missão em Marte em colaboração com a Agência Espacial Europeia, França, Áustria e Argentina, observa q TASS. Um pouso bem-sucedido fará da China o segundo país a entregar uma espaçonave à superfície marciana. Em comparação, os Estados Unidos plantaram oito sondas desde 1976.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com