COVID-19: 2,3 milhões de casos em todo o mundo

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

19 de abril de 2020

Drone derramando desinfetantes em um local público na Coreia do Sul

Os casos de coronavírus atingiram 2.334.130 em todo o mundo, incluindo 160 mil mortes, enquanto vários países, exceto os Estados Unidos, relatam uma diminuição em novos casos. Segundo a Universidade Johns Hopkins, mais de 735 mil casos e quase 40 mil mortes foram registradas nos Estados Unidos, hoje o epicentro da pandemia.

O COVID-19 atingiu todos os continentes:

  • Ásia tem 6.951 mortes e 162.256 casos;
  • Europa possui 101.493 mortos e 1,1 milhão de casos;
  • Oriente Médio tem 5.559 mortes e 122.819 casos;
  • Na América do Sul e Central foram 4.915 mortes e 98.202 casos;
  • África tem 1.058 mortes e 21.165 casos;
  • Oceania tem noventa mortes e 7.879 casos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse no domingo que "não há evidências" de que as pessoas que contraíram COVID-19 sejam imunes a ela. O Centro Coreano de Controle e Prevenção de Doenças relata que 163 pessoas com coronavírus foram reinfetadas. Um grupo de 13 países pediu cooperação global para reduzir o impacto econômico da pandemia de coronavírus, já que infecções e mortes continuam a aumentar em todo o mundo.

Países como Reino Unido, Indonésia, Alemanha, Singapura, Turquia e Canadá disseram em comunicado conjunto divulgado no sábado: "É vital que trabalhemos juntos para salvar vidas". O grupo, que também inclui Itália, Brasil, França, México, Coreia do Sul, Marrocos e Peru, está comprometido em "trabalhar com todos os países para coordenar medidas de saúde pública, viagens, comércio e economia para minimizar interrupções".

A Comissão Econômica para a África (ECA) disse que a pandemia poderia matar 300 mil pessoas na África este ano. A OMS estima que existem menos de 2.000 respiradores disponíveis para centenas de milhões de pessoas em 41 países africanos, aumentando o receio de que a escassez crônica desse equipamento e outros suprimentos essenciais possam ser catastróficos.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com