COVID-19: 2,3 milhões de casos em todo o mundo

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

19 de abril de 2020

Drone derramando desinfetantes em um local público na Coreia do Sul
Portal Saúde
Outras notícias sobre saúde


Os casos de coronavírus atingiram 2.334.130 em todo o mundo, incluindo 160 mil mortes, enquanto vários países, exceto os Estados Unidos, relatam uma diminuição em novos casos. Segundo a Universidade Johns Hopkins, mais de 735 mil casos e quase 40 mil mortes foram registradas nos Estados Unidos, hoje o epicentro da pandemia.

O COVID-19 atingiu todos os continentes:

  • Ásia tem 6.951 mortes e 162.256 casos;
  • Europa possui 101.493 mortos e 1,1 milhão de casos;
  • Oriente Médio tem 5.559 mortes e 122.819 casos;
  • Na América do Sul e Central foram 4.915 mortes e 98.202 casos;
  • África tem 1.058 mortes e 21.165 casos;
  • Oceania tem noventa mortes e 7.879 casos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse no domingo que "não há evidências" de que as pessoas que contraíram COVID-19 sejam imunes a ela. O Centro Coreano de Controle e Prevenção de Doenças relata que 163 pessoas com coronavírus foram reinfetadas. Um grupo de 13 países pediu cooperação global para reduzir o impacto econômico da pandemia de coronavírus, já que infecções e mortes continuam a aumentar em todo o mundo.

Países como Reino Unido, Indonésia, Alemanha, Singapura, Turquia e Canadá disseram em comunicado conjunto divulgado no sábado: "É vital que trabalhemos juntos para salvar vidas". O grupo, que também inclui Itália, Brasil, França, México, Coreia do Sul, Marrocos e Peru, está comprometido em "trabalhar com todos os países para coordenar medidas de saúde pública, viagens, comércio e economia para minimizar interrupções".

A Comissão Econômica para a África (ECA) disse que a pandemia poderia matar 300 mil pessoas na África este ano. A OMS estima que existem menos de 2.000 respiradores disponíveis para centenas de milhões de pessoas em 41 países africanos, aumentando o receio de que a escassez crônica desse equipamento e outros suprimentos essenciais possam ser catastróficos.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com