CNE de Moçambique aprova resultados das eleições de Outubro

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Moçambique.

Agência VOA

31 de outubro de 2014

Moçambique

Em Moçambique, a Comissão Nacional de Eleições (CNE) aprovou os resultados das eleições gerais de 15 de Outubro em Moçambique anunciados ontem (30). Com 10 votos a favor e sete contra, estes últimos dos membros da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), do Movimento Democrático de Moçambique (MDM) e da sociedade civil. Sete membros da CNE votaram contra os resultados das eleições gerais apresentaram também uma declaração de voto vencido.

O principal partido da oposição conta com quatro representantes na CNE, além de um representante da sociedade civil que propôs para o órgão, ao abrigo da Lei Eleitoral. A Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) indicou cinco membros para a CNE, que integra ainda quatro representantes da RENAMO, um membro do MDM, terceiro maior partido, e sete membros da sociedade civil, totalizando 17 membros.

Entre os membros que votaram contra, figura Fernando Mazanga, membro da CNE pela RENAMO, que afirmou, "respeitando os ditames da minha consciência, votei contra estes resultados em sede própria da sua centralização, por vários motivos que eu fiz chegar à CNE através de uma declaração de voto de vencido, para profundamente manifestar a minha discordância". Espera-se que o líder da RENAMO, Afonso Dhlakama reaja, a qualquer momento, aos resultados eleitorais.

Entretanto, a CNE, através do seu porta-voz Paulo Cuinica, afirmou que ainda não se sabe se a votação vai ser repetida ou não nas 26 mesas do distrito de Tsangano, no Tete, anulada pelo Tribunal Supremo.

Cuinica indicou que nos termos da lei, o Tribunal Supremo vai analisar todo o processo eleitoral, "e nessa altura, irá indicar se há ou não lugar para a repetição das eleições em todos os locais, onde, eventualmente, tenha havido irregularidades".

Refira-se que a votação em Tsangano foi anulada devido ao facto de todo o material eleitoral ter sido destruído e queimado, por suspeitas do chamado enchimento prévio de urnas.

Os resultados das eleições deram a vitória a Filipe Nyusi, com 57,03 por cento dos votos, na corrida à Presidência da República, seguido de Afonso Dhlakama, da RENAMO, com 36,61 por cento, e de Daviz Simango, do MDM, com 6,36 por cento.

Nas legislativas, a FRELIMO venceu com 55,97 por cento dos votos, enquanto a RENAMO conseguiu 32,49 por cento e o MDM obteve 7,21 por cento.

A abstenção foi de 51,36 por cento nas eleições presidenciais e 51,51 por cento nas legislativas.

Notícias Relacionadas[editar]

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati