MDM vai impugnar eleições não credíveis em Moçambique

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Moçambique.

Agência VOA

31 de outubro de 2014

Moçambique

O presidente do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), Daviz Simango considerou os resultados eleitorais de Moçambique como “não credíveis” e disse que o seu partido vai recorrer junto da justiça.

"São resultados que não são credíveis, com inúmeros relatos de irregularidades documentados por nós e conhecidos por toda a sociedade e que foram apontados pela imprensa independente e pelos organismos de observação eleitoral", afirmou Daviz Simango a jornalistas.

O antigo candidato presidencial anunciou que vai continuar a “luta através de medidas judiciais que nos garante a nossa Constituição da República", apesar da “fraqueza das instituições moçambicanas que lidam com processos eleitorais"

Simango foi mais longe e considerou que o acto eleitoral foi "manchado por um combate desigual de forças durante a campanha eleitoral e que tiveram actos de fraude e um descrédito final".

Os resultados das eleições de 15 de Outubro revelados hoje, 30, pela Comissão Nacional de Eleições deram a vitória a Filipe Nyusi, da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) com 57,03 por cento dos votos, na corrida à Presidência da República, seguido de Afonso Dhlakama, da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), com 36,61 por cento, e de Daviz Simango, do MDM, com 6,36 por cento.

Nas legislativas, a FRELIMO venceu com 55,97 por cento dos votos, enquanto a RENAMO conseguiu 32,49 por cento e o MDM obteve 7,21 por cento.

A abstenção foi de 51,36 por cento nas eleições presidenciais e 51,51 por cento nas nas legislativas.

Notícias Relacionadas[editar]

Fonte[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati