Brasil insiste na venda de aviões à Venezuela

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Atualizado em 9 de julho de 2006 por Slade. Retirada imagem eliminada e troca de links internos. Para maiores informações veja o histórico.

27 de janeiro de 2006

O Brasil continuará com os esforços por via diplomática para realizar a venda de aviões para a Venezuela, disse nesta sexta-feira (27) Marco Aurélio Garcia, assessor de política externa do Brasil, numa entrevista à televisão estatal venezuelana. A venda dos aviões foi bloqueada pelos Estados Unidos no passado mês de dezembro, que vêem o negócio como uma prática inaceitável ao comércio internacional.

O presidente venezuelano, Hugo Chávez acusou recentemente o governo norte-americano de bloquear a venda dos aviões ligeiros de ataque ao solo, ALX/Super Tucano, fabricados pela empresa brasileira EMBRAER com tecnologia de ponta norte-americana nos componentes electrónicos.

«Nisto é preciso ter cuidado, esgotar as etapas antes de passar a outras. Não é uma situação isolada, porque há um problema semelhante que está ocorrendo com a Espanha», disse Marco Aurélio.

No passado dia 13 de janeiro a empresa espanhola CASA/EADS tinha anunciado desenvolver uma nova versão do C-295 e C-235 — no qual a Venezuela tinha encomendado respectivamente dez C-295 e outros dois C-235 de patrulha marítima, esta nova versão deveria possuir componentes não de origem norte-americana, devido à proibição dos Estados Unidos face à venda de armamento com tecnologia norte-americana à Venezuela. Ontem (26) a empresa anunciou cancelar definitivamente o fornecimento do C-295 à Venezuela, devido aos custos de uma nova versão serem demasiado altos. Além de componentes electrónicos, a necessidade da substituição dos motores actuais do avião, implicariam não só a obrigação de certificar um novo motor para o C-295 e C-235, como também implicaria a necessidade da certificação segundo normas rígidas internacionais, de forma a que os dois aviões tenham todas as licenças de voo necessárias. O simples pagamento de uma multa às autoridades venezuelanas, por parte da CASA/EADS, pela quebra de contrato deverá sair muito mais barata.

As relações entre Caracas e Washington se deterioraram bastante desde a chegada de Hugo Chávez à presidência da Venezuela. Chávez tem sido um forte crítico contra o governo do actual presidente norte-americano, George W. Bush, que se tem mostrado preocupado com a possibilidade de que as compras de material bélico feitas pela Venezuela possam destabilizar a América do Sul.

Face aos bloqueios e à forte oposição por parte dos Estados Unidos, a Venezuela tem-se virado para a compra de aviões caça russos como o MiG-29 SMT, para substituir os seus actuais F-16 que não encontram-se operacionais devido à falta de peças novas para a manutenção; e para a compra de helicópteros, também de fabrico russo, Mi-17 e Mi-26. Chávez já disse que se caso o negócio para a compra de aviões com a EMBRAER não vá para a frente, a Venezuela comprará os aviões a outros países, como a Índia, China ou Rússia.

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati

Artigos relacionados

Fontes