Autoridades cubanas bloqueiam o acesso à Internet em resposta a protestos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

13 de julho de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Ontem as autoridades cubanas bloquearam o Facebook, WhatsApp, Instagram e Telegram, citou Alp Toker, diretor da Netblox, empresa de monitoramento de internet com sede em Londres. “Esta parece ser uma resposta aos protestos alimentados pelas redes sociais”, disse ele.

Os cubanos, que enfrentam a pior crise econômica do país em décadas, foram às ruas para protestar no fim de semana. Milhares marcharam no centro de Havana e em outras partes da ilha no domingo para exigir que o presidente Miguel Diaz-Canel se demitisse, gritando slogans como "liberdade" e "união".

Para evitar outras manifestações as autoridades bloquearam sites de mídia social em uma aparente tentativa de conter o fluxo de informações dentro da nação.

Restringir o acesso à Internet tornou-se um método testado e comprovado de suprimir a dissidência de regimes autoritários em todo o mundo. Regimes como a China e a Coreia do Norte mantêm controles rígidos sobre o que os cidadãos comuns podem acessar online. Em outros países, as interrupções no serviço são mais limitadas, muitas vezes interrompendo as plataformas sociais na época das eleições ou de protestos em massa.

A diretora da Amnesty International para as Américas, Erika Guevara-Rosas, também citou relatos de bloqueios na Internet pelas autoridades cubanas.

Notícia relacionada

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit