Ativistas de direitos humanos acusam Minsk de prisões em massa e tortura

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

16 de setembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

A organização internacional de direitos humanos Human Rights Watch (HRW) acusou as forças de segurança bielorrussas de deter milhares de pessoas e torturar centenas de manifestantes após as eleições de 9 de agosto, que resultaram na reeleição do presidente Aleksandr Lukashenko para um sexto mandato.

A violenta repressão aos protestos logo após as eleições resultou na detenção de quase 7.000 pessoas. Pelo menos três pessoas foram mortas durante os protestos e centenas de outras ficaram feridas enquanto a polícia dispersava agressivamente manifestantes pacíficos com balas de borracha e cassetetes. Lukashenko afirma que potências estrangeiras estão por trás dos protestos e nega que a votação tenha sido adulterada.

As conclusões do HRW baseiam-se em entrevistas com 27 ex-detidos, a maioria dos quais presos entre 8 e 12 de agosto, o estudo de 67 vídeos e depoimentos escritos dos detidos e seus familiares.

De acordo com os detidos, eles sofreram espancamentos, choques elétricos e outras formas de tortura, resultando em ferimentos como ossos quebrados, queimaduras elétricas, ferimentos leves na cabeça, danos renais e dentes quebrados. Pelo menos um dos casos envolveu estupro.

As prisões em massa foram retomadas na primeira semana de setembro. O Ministério do Interior disse que 600 pessoas foram detidas somente no dia 6 de setembro. Outras 774 pessoas foram presas em Minsk e outras cidades por realizar manifestações não sancionadas no domingo.

As autoridades bielorrussas também perseguem jornalistas estrangeiros e repórteres locais que trabalham para meios de comunicação independentes. Segundo a HRW, as autoridades revogaram dezenas de credenciamentos de jornalistas, expulsaram-nos do país ou os assediaram.

Na segunda-feira, o Conselho de Direitos Humanos da ONU iniciou uma reunião de emergência de duas semanas na Bielorrússia.

“Dada a sua escala e número, todas as alegações de tortura e outras formas de maus-tratos pelas forças de segurança devem ser documentadas e investigadas com o objetivo de levar os responsáveis ​​à justiça”, disse Bachelet em discurso em Genebra.

Fontes

ru Wayne Lee. Международные правозащитники обвинили Минск в массовых арестах и пыткахVoz da América, 16 de setembro de 2020

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com