Turquia: Erdogan exige que Biden reverta a declaração do genocídio armênio

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Corpos de armênios mortos durante o massacre de Adana

26 de abril de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O presidente turco Recep Tayyip Erdoğan exigiu na segunda-feira que o presidente dos Estados Unidos Joe Biden revertesse sua declaração de que o massacre de centenas de milhares de armênios no Império Otomano durante a Primeira Guerra Mundial constituiu genocídio.

Em seus primeiros comentários desde a declaração de Biden no sábado, Erdogan disse que o líder dos EUA "fez comentários infundados, injustos e falsos sobre os tristes acontecimentos que ocorreram em nossa geografia há mais de um século".

Erdogan disse que esperava que Biden “recuasse desse passo errado o mais rápido possível”.

O líder turco também aconselhou Biden a “olhar no espelho” para a matança de nativos americanos por colonos europeus enquanto os Estados Unidos desenvolviam a metade ocidental de seu território no século XIX.

“Enquanto todas essas verdades estão aí, você não pode atribuir a acusação de genocídio ao povo turco”, disse ele.

Erdogan disse que o comunicado de Biden abriu uma “ferida profunda” em suas relações com os Estados Unidos, um aliado da OTAN, em um momento em que as relações EUA-Turquia já estão desgastadas. Os EUA impuseram sanções quando a Turquia comprou sistemas de defesa aérea russos contra os protestos dos aliados dos EUA e da OTAN.

No final do sábado, a Turquia disse que convocou David Satterfield, o embaixador dos EUA em Ancara, para condenar a declaração de Biden, o primeiro presidente dos EUA a declarar que as mortes de cerca de 1,5 milhão de armênios nas mãos do Império Otomano - o predecessor do moderno -dia Turquia - entre 1915 e 1923 constituiu genocídio.

Os armênios dizem que foram intencionalmente alvos de extermínio por meio de fome, trabalho forçado, deportação, marchas da morte e massacres diretos.

Referência

Notícia Relacionada

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit