Biden reconhece como genocídio morte de armênios por turcos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

25 de abril de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram
Armênios escoltados por soldados otomanos marchando da cidade de Harput (atual Elazığ) para um campo de prisioneiros em abril de 1915

O presidente Joe Biden reconheceu ontem que a matança e deportação sistemática de centenas de milhares de armênios pelos turcos otomanos um século atrás, durante a Primeira Guerra Mundial, foi um genocídio.

Estima-se que 1,5 milhão de armênios foram mortos entre 1915 e 1917 durante os últimos anos do Império Otomano, que suspeitava que a minoria cristã conspirou com a adversária Rússia durante a Guerra. Presos, eles foram deportados, obrigados a marchar para o deserto da Síria, sendo que boa parte morreu pelo caminho, sendo baleada, envenenada ou ainda sendo vítima de doenças, conforme relatos de diplomatas estrangeiros na época.

A Turquia, que emergiu como uma república secular das cinzas do Império Otomano, reconhece que 300.000 armênios podem ter morrido, mas sempre rejeitou veementemente que o caso tenha sido genocídio.

É uma questão delicada para a Turquia, aliada da OTAN, e países como França, Alemanha e Canadá, que reconheceram o genocídio. "De um lado, você diz: 'Eu reconheço o genocídio armênio', mas, ao mesmo tempo, você está dando (à Turquia) tecnologia e apoio militar", disse Mher Janian, do Comitê Nacional Armênio da América.

Com a declaração da Casa Branca, Biden se tornou o primeiro presidente dos Estados Unidos a fazê-lo.

Referência

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit