Tufão Haishen deixa mortos e feridos em sua passagem pelo Japão e Coreia do Sul

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

7 de setembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O tufão Haishen causou ao menos duas mortes no Japão, além de deixar mais de 100 feridos, segundo o Japan Times, que também reportou que há quatro pessoas desaparecidas na aldeia de Shiiba, província de Miyazaki.

A tempestade varreu o sudoeste do Japão, atingindo principalmente a Ilha Kyushu, entre ontem e hoje com ventos que chegaram a mais de 150km/h. No distrito de Nomozaki, na cidade de Nagasaki, as rajadas de vento chegaram a 213,84 km/h. Também houve chuvas intensas, de 400mm/dia no vilarejo de Shiiba, Miyazaki. Centenas de milhares de residências ficaram sem energia elétrica na região e serviços de transporte aéreo e terrestre foram suspensos. Também houve o cancelamento das aulas.

Depois dos estragos no Japão, o Haishen seguiu sua rota rumo à Península Coreana, onde atingiu com mais intensidade a Coréia do Sul, principalmente a costa de Ulsan. Segundo a BBC, 300 voos de 10 aeroportos foram cancelados e alguns serviços de trem foram suspensos na região.

Já o The Korea Herald reportou que dezenas de coreanos ficaram feridos, ao menos uma pessoa desapareceu e que um corpo foi encontrado na da praia de Haeundae, Busan. O jornal também relatou que houve muitos danos materiais, interrupções no tráfego e cortes de energia numa área entre a ilha de Jeju, a cidade portuária de Busan e Gangneung, na província de Gangwon.

Os estragos do Haishen aconteceram apenas alguns dias após o Maysak atingir a mesma região.

Você sabia quê?

  • Geralmente os tufões que fazem esta rota, entre o sul do Japão rumo à Península Coreana, se formam ou se intensificam no Mar das Filipinas, que entre junho e novembro apresenta condições climáticas adequadas para estes fenômenos, como a temperatura da água do mar em torno dos 30ºC?
  • No mês de setembro estas condições são ainda mais propícias neste mar?

Notícias Relacionadas

Fontes


Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com