Transparência Internacional: Venezuela e Paraguai são os países mais corruptos da América Latina

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

3 de dezembro de 2014

A organização Transparência Internacional (TI) publicou nesta quarta-feira o Índice de Percepção da Corrupção 2014, que outorgou uma vez mais as melhores notas globais a Dinamarca, Nova Zelândia e Finlândia, enquanto a Somália, Coreia do Norte e Sudão são colocados na última lugares no ranking.

O Índice de Percepção de Corrupção medido em uma escala de zero (muito corrupto) a 100 (ausência de corrupção), os níveis de percepção de corrupção no setor público, empregado para sondagens a analistas e empresas. O relatório do organismo, com sede em Berlim (Capital da Alemanha), revelou que a corrupção na América Latina já se manteve estagnada, ou seja, foram registrados nenhum progresso perceptível ou retrocessos notórios.

Índice de Percepção de Corrupção de 2013.
Foto: Ruben.2196.

"O que não haja grandes mudanças não é uma boa notícia", disse o diretor regional para as Américas da Transparência Internacional, Alejandro Salas, comparando a situação na região neste ano em relação a 2012 e 2013. Por sua parte, José Ugaz nomeado em outubro TI presidente, afirmou que a situação na América Latina é "lamentável, porque demonstra que os governos têm feito pouco para começar a afrontar este problema com integridade".

No ranking de 175 países, Uruguai e Chile (ambos na posição 21) são os países latino-americanos melhores posicionados. Atrás deles, seguido Porto Rico (posição 31), Costa Rica (posição 47), Cuba (posição 63), Brasil (posição 69), El Salvador (posição 80), Peru (posição 85), Colômbia e Panamá (ambos na posição 94), Bolívia e México (ambos na posição 103) e Argentina (posição 107).

Continuam Equador (posição 110), República Dominicana e Guatemala (ambos na posição 115), Honduras (posição 126) e Nicarágua (posição 133). Finalmente, o Paraguai (posição 150) e Venezuela (posição 161), considerados os países mais corruptos da América Latina, onde as instituições são fracas e não há um domínio do poder político, disse Salas. Em contraste, Chile e Uruguai, as nações menos corruptos da região, contas com as instituições mais fortes e a polícia mais confiáveis. "A pontuação média de 40 significa que a corrupção é sistemática, é muito impregnada no estado", explicou Salas sobre a América Latina.

Honduras foi a melhoria mais evidente, pois marcou 14 pontos a mais que na edição anterior. No entanto, o país continua ao inferior da tabela. A maior queda foi a do Equador, que perdeu oito pontos. O índice mede como do corrupto é percebido o setor público mediante estudos comparativos. Destaca-se que 69% dos países suspendem em transparência.

"Quando o sistema político e legal [jurídico] de um país não atua com a suficiente rapidez e eficácia como para pôr fim aos comportamentos corruptos, sanciona-los [punir] e estabelecer precedentes legais para o futuro", alertou Ugaz. TI já recomendou à União Europeia e os Estados Unidos (posição 17) a atuar mais decididamente para lutar contra a corrupção de suas empresas nos países em desenvolvimento.

Entre as grandes potências, além dos Estados Unidos na posição 17, se encontram Alemanha e Reino Unido na 12, Japão na 15 e mais distante, Índia na 85, China e Rússia, no 100 e no 136. Por outro lado, Espanha (posição 37) se coloca no meio da classificação europeia. O estudo demonstra "que quando os líderes e funcionários de alto cargos abusam de seu poder e apropriam de fundos [recursos] públicos para benefício pessoal, socava-se o crescimento econômico e os esforços para frear a corrupção desaparecerem", disse Ugaz.

Notícia Relacionada[editar]

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati