Sobreviventes e representantes internacionais lembram libertação de Auschwitz

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

27 de janeiro de 2015

Europa

Trezentos sobreviventes do antigo campo de extermínio nazista de Auschwitz-Birkenau participam hoje (27) das comemorações do 70º aniversário da libertação do campo de concentração, data que lembra o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto. A maioria dos sobreviventes de Auschwitz tem mais de 90 anos. Além dos sobreviventes, representantes de mais de 40 países confirmaram presença nas cerimônias.

O nome de Portugal irá figurar em uma placa, descerrada durante as cerimônias, em que vão constar os vários países que apoiam a preservação das instalações do antigo campo de concentração e de extermínio. Poucos dias atrás, a lista de presença nas cerimônias, divulgada pelo Museu de Auschwitz-Birkenau, indicava 11 chefes de Estado europeus, entre eles, os da Alemanha, da França, Polônia, Áustria e Ucrânia.

A ausência do presidente russo, Vladimir Putin, marca os preparativos das comemorações que assinalam a chegada, em 1945, das tropas soviéticas ao complexo nazista. O Kremlin lamentou que Putin não tenha recebido um “convite oficial” para as cerimônias, tendo posteriormente confirmado que a Rússia estará representada pelo chefe da administração presidencial, Serguei Ivanov.

O evento conta também com os reis da Bélgica (Felipe e Matilde) e da Holanda (Guilherme Alexandre e Máxima). Os Estados Unidos estarão representados pelo secretário do Tesouro, Jack Lew, e o Vaticano, pelo cardeal polonês Stanis aw Dziwisz, que foi secretário pessoal do papa João Paulo II durante 39 anos.

O campo Auschwitz-Birkenau foi construído pelas forças alemãs em 1940 para ser um lugar de encarceramento de cidadãos poloneses. A partir de 1942, o local transformou-se no complexo principal da política de extermínio do regime nazista durante a 2ª Guerra Mundial. Entre 1940 e 1945, mais de 1,1 milhão de pessoas morreram no local, a maioria judeus, mas também poloneses ciganos, prisioneiros de guerra soviéticos e prisioneiros de outras etnias.

Os nazistas iniciaram o processo de evacuação de Auschwitz em 17 de janeiro de 1945, quando estariam no campo de concentração cerca de 56 mil prisioneiros. Entre 9 mil e 15 mil pessoas morreram durante as Marchas da Morte da evacuação. Dez dias depois, o complexo de concentração e de extermínio de Auschwitz-Birkenau, no Sul da Polônia (a cerca de 60 quilômetros de Cracóvia), foi libertado pelas forças do Exército Vermelho, da ex-União Soviética.

O Museu de Auschwitz-Birkenau foi aberto em 1947 nas instalações do antigo campo de concentração, que foi declarado Patrimônio da Humanidade da Unesco em 1979, passando a ser um dos principais símbolos do Holocausto em todo o mundo. Atualmente, cerca de 1,5 milhão de pessoas visitam anualmente o museu.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati